Extremistas do Estado Islâmico destroem museu no norte do Iraque

Um grupo extremista do Estado Islâmico destruiu uma coleção de estátuas e esculturas inestimáveis no Iraque que datam de milhares de anos. O grupo invadiu um museu na cidade de Mosul e utilizou marretas e furadeiras elétricas para destruir obras de arte antigas.

 Um dos itens destruídos, que representa uma criatura alada, remonta ao século 9 a.C
Um dos itens destruídos, que representa uma criatura alada, remonta ao século 9 a.C

Um vídeo mostra um grupo de homens barbudos no Museu Nínive usando ferramentas para destruir estátuas de 3.000 anos de idade, depois de jogá-las no chão. Um dos itens destruídos remonta ao século 9 a.C. Um homem mostrado no vídeo disse que os itens estavam sendo destruídos porque eles promoveram idolatria. “O Profeta ordenou-nos para se livrar de estátuas e relíquias”, disse o homem não identificado.

O grupo extremista destruiu uma série de santuários – incluindo locais sagrados muçulmanos – em uma tentativa de eliminar o que ele vê como uma heresia. Ao que tudo indica o grupo vendeu artigos antigos no mercado negro, a fim de financiar a sua campanha sangrenta de toda a região.

Confira o vídeo:

você pode gostar também

Deixe um comentário

error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!