Lavas-Jato
Foto: Divulgação

(ANSA) – A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (28) a 39ª fase da Lava Jato, batizada de Operação Paralelo. Autorizada pela 13ª Vara Federal de Curitiba, do juiz Sérgio Moro, a etapa incluiu um mandado de prisão preventiva contra o ex-gerente executivo da Petrobras Roberto Gonçalves, sucessor de Pedro Barusco, já condenado pela Lava Jato. Gonçalves foi detido em Roraima, onde visitava familiares.

O nome “Paralelo” se deve a uma suposta atuação clandestina dos investigados no mercado financeiro. Segundo a PF, uma corretora de valores teria sido usada para movimentar recursos ilícitos e viabilizar pagamentos ilegais de funcionários da Petrobras.

A fase anterior da Lava Jato havia sido deflagrada em 23 de fevereiro, com o nome de Blackout, para investigar o pagamento de US$ 40 milhões em propinas pelos operadores financeiros Jorge e Bruno Luz, pai e filho presos em Miami pela Interpol.

Os subornos teriam beneficiado sobretudo peemedebistas, incluindo senadores. Até aqui, a Lava Jato já executou mais de 180 mandados de prisão preventiva ou temporária, 205 de condução coercitiva e cerca de 750 de busca e apreensão. Segundo dados da PF, mais de R$ 745 milhões em bens já foram repatriados.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.