150129092314_goto_624x351_reuters
Goto teria ido à Síria para tentar negociar a libertação de outro refém japonês decapitado pelo EI (Foto: Reprodução)

O Estado Islâmico (EI) divulgou neste sábado (31) um vídeo na internet que supostamente mostra a decapitação do refém japonês Kenji Goto. O governo nipônico e os EUA tentam verificar a autenticidade do vídeo.

A gravação é divulgada menos de uma semana após a notícia da decapitação de outro homem japonês, Haruna Yukawa. Goto, de 47 anos, é um conhecido jornalista freelancer e documentarista que teria ido para a Síria em outubro para facilitar a libertação de Yukawa. O “Estado Islâmico” pediu US$ 200 milhões (R$ 532 milhões) de resgate por ambos.

Nas imagens, um jihadista – com sotaque britânico – encapuzado aparece atrás de Goto, que está ajoelhado e vestido com um macacão laranja. O decapitador culpa o governo japonês pela morte do refém. O vídeo termina com a foto de um corpo no chão com a cabeça ao lado. Dirigindo-se ao governo japonês, o jihadista disse: “Vocês, como os seus estúpidos aliados da coalizão satânica, não entenderam ainda que somos um califado islâmico, com autoridade e poder pela graça de Deus, um Exército inteiro sedento de sangue”.

Autoridades japonesas estavam trabalhando junto à Jordânia para conseguir a libertação do jornalista e de um piloto jordaniano, Moaz Al-Kasasbeh.  A porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Bernadette Meehan, expressou solidariedade ao governo japonês.

“Assistimos ao vídeo que supostamente mostra que o japonês Kenji Goto foi assassinado pelo grupo terrorista Estado Islâmico. Estamos trabalhando para confirmar sua autenticidade. Os Estados Unidos condenam fortemente as ações do Estado Islâmico e exigem a libertação imediata de todos os reféns.”, disse à BBC.

As informações são da BBC

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.