Escola Agrícola da UFRN oferta 115 vagas em curso técnicos

outubro 15, 2020 0 Por Rafael Nicácio
Escola Agrícola da UFRN oferta 115 vagas em curso técnicos

A Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ) abriu processo seletivo para 115 vagas em quatro cursos técnicos, que terão aulas iniciadas em dezembro. Entre eles, a unidade agrícola da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) oferta 20 oportunidades no Curso Técnico em Cozinha, que será oferecido pela primeira vez e ofertado na modalidade subsequente, com duração de um ano e meio.

As inscrições gratuitas para os cursos já estão abertas e seguem até o próximo dia 30 de outubro pela internet (aqui). As informações sobre matrícula, datas e requisitos, podem ser consultadas no edital (clicando aqui).

Vagas

  • Técnico em Agroindústria – 30 vagas
  • Técnico em Agropecuária – 35 vagas
  • Técnico em Aquicultura – 30 vagas
  • Técnico em Cozinha – 20 vagas

A seleção será realizada por meio de análise do desempenho escolar em Língua Portuguesa ou Português e Matemática ou disciplinas equivalentes cursadas no 1º, 2º e 3º ano do Ensino Médio. O edital ainda prevê reserva de vagas para alunos egressos de escolas públicas, por exemplo.

Novo curso na EAJ-UFRN

Curso Técnico em Cozinha Escola Agrícola da UFRN

O novo curso será ofertado na modalidade subsequente e terá duração de um ano e meio. Com atuação alinhada à EAJ, enquanto Unidade Acadêmica Especializada em Ciências Agrárias da UFRN, o curso faz parte do esforço da escola para contribuir com o fortalecimento de toda a cadeia produtiva de alimentos no Rio Grande do Norte. A criação do Técnico em Cozinha foi justificada pelo bom desempenho do setor de serviços em todo país, principalmente no Rio Grande do Norte, e pela necessidade de profissionais qualificados que atendam às exigências do setor de gastronomia.

O diretor da EAJ, Ivan Max, destaca que a ideia do curso é ter vinculação e articulação com a produção agrícola do estado, promovendo uma ligação direta com a unidade. “Como o curso vai se voltar a produção vegetal e animal do RN, a relação com a EAJ será direta, pois isso envolve uma forma de processamento de produção com fins de alimentação. Além disso, a cozinha tradicional rural será explorada nas preparações”, disse.

A expectativa, segundo o Projeto Político Pedagógico do curso, é formar um cidadão preparado para o ambiente de cozinha profissional, que atue com ética e responsabilidade, atento aos aspectos sociais, ambientais, históricos, culturais e turísticos relacionados à gastronomia.

O curso terá oferta de disciplinas que vão da História, Cultura e Alimentação, passando por Técnicas e Habilidades de Cozinha, Empreendedorismo, Noções de Nutrição, Higiene e Boas Práticas de Manipulação, Informática Básica, Habilidades Básicas de Confeitaria e Panificação, Serviços de Alimentos e Bebidas, além das disciplinas que tratam dos mais diversos tipos de alimentos e culinárias existentes.

Os futuros estudantes podem esperar muito mais do que só os conteúdos articulados com a realidade agrícola regional. “Preparamos uma infraestrutura de restaurante escola e um corpo de professoras e professores qualificados para atender as necessidades dessa oferta”, revela o diretor da EAJ, Ivan Max.