Programação da TV João Pedro

Programa Bem Estar 16/01/2019 – Comida de Praia

Programa Bem Estar 16/01/2019 – Comida de Praia

No Bem Estar desta quarta-feira, dia 16/01,o programa mostrou quais cuidados devemos tomar ao comprar petiscos na praia. Antes de se jogar nos alimentos, a pessoa precisa prestar atenção nas condições de higiene para que o passeio não vire um pesadelo.

Verão, sol, praia e petiscos – dificilmente eles passam despercebidos. Milho cozido, espetinho, queijo coalho, água de coco, açaí, churros, sorvete. A lista é interminável. Entretanto, antes de se jogar nesses alimentos, a pessoa precisa prestar atenção nas condições de higiene para que o passeio não vire um pesadelo.

Um dos principais riscos de se comer na praia é que o ambiente é quente, com poucas condições de higiene. Isso facilita a contaminação e proliferação de bactérias. O preparo inadequado do alimento é o principal fator de contaminação. Outro problema é deixar o alimento preparado muito tempo fora da geladeira.

De acordo com a diretora técnica da Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo Isabel de Lelis Morais, quanto maior a manipulação do produto, maior o risco. Por isso, prefira sempre os alimentos que foram menos manipulados.

Queijo coalho: pode? — Foto: Mariana Garcia/G1

Veja alguns exemplos:

  • Coco verde: melhor ver abrir na hora e tomar direto da fruta. Copos e garrafinhas são mais arriscados)
  • Milho verde: melhor comer diretamente da espiga. O milho debulhado passa por uma faca e por superfície que podem estar contaminados. Também observe se a água está fervida.
  • Açaí: melhor o industrializado, que passou pro processo de pasteurização.
  • Espetinho de camarão: escolha os que vendem em estabelecimentos fixos. O camarão precisa de refrigeração para melhor conservação.
  • Queijo coalho: o industrializado oferece menor risco.
  • Latas de refrigerantes ou outras bebidas: devem ser muito bem lavadas ou higienizadas antes de serem abertas.
  • Maionese e outros molhos: opte pelos sachês.
Catorze pessoas contraem Doença de Chagas após consumir suco feito com bacaba no TO

Catorze pessoas contraem Doença de Chagas após consumir suco feito com bacaba no TO

Quando ingerimos um alimento contaminado, o sintoma mais comum é a diarreia. Essa alteração pode durar até 14 dias, mas o comum é ir embora entre três e cinco dias. Para tratar: HIDRATAÇÃO. Pode-se associar à hidratação, medicamentos antidiarreicos.

Bem Estar

Apresentado por Mariana Ferrão e Fernando Rocha nas manhãs de segunda a sexta, o programa tem a participação fixa de médicos e de especialistas das mais diversas áreas.

O programa vai ao ar às 10h09, na Rede Globo

Sobre o autor | Website

Deixe um comentário

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.