Após pedir demissão ao vivo, jornalista ganha ação contra Globo

Após pedir demissão ao vivo, jornalista ganha ação contra Globo

Após pedir demissão ao vivo, jornalista ganha ação contra Globo

Aline Cássia julho 27, 2021 Destaques

O repórter foi indenizado pelo Tribunal Regional, no valor de R$ 2 milhões de reais

Kaio Cézar, jornalista que pediu demissão ao vivo no começo de 2019, durante os créditos finais do programa Globo Esporte, da TV Verdes Mares, afiliada da Rede Globo no Ceará, ganhou a ação movida contra a emissora. De acordo com informações, três empresas terão que pagar ao repórter um valor de R$ 2 milhões de reais, valor estipulado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região de Fortaleza (CE).

Além da TV Globo, as três empresas filiadas à emissora são: TV Verdes Mares (afiliada Globo no Ceará), TV Diário (TV local do Sistema Verdes Mares) e Rádio Verdes Mares (a rádio do grupo).

Na ocasião, Kaio pediu demissão, alegando assédio e danos morais cometidos pelo ex-diretor de relações institucionais do Sistema Verdes Mares, que foram direcionados não somente a ele, mas também à sua esposa.

Em 16 de fevereiro de 2019, enquanto o jornalista finalizava a edição do programa, ele comunicou a decisão durante os créditos finais do Globo Esporte. “Neste momento, estou pedindo demissão do sistema Verdes Mares. Não abro mão do respeito nem da dignidade para estar em lugar nenhum”, disse ele com o programa ainda ao vivo.

Em um dos casos, o jornalista conseguiu provar que Paulo César Norões, mandou o jornalista “tomar no cu” em uma das reuniões dentro do Sistema Verdes Mares, de onde fazia parte.

Ao portal, o juiz se pronunciou. “Entendo que os fatos em questão ofenderam a honra e a dignidade do reclamante, sendo que xingamento do nível ‘vai tomar no cu’, proferido em reunião, e brincadeira machista e de extremo mau gosto envolvendo o fato de a esposa do reclamante ter um filho de união anterior, na presença de colegas de trabalho, não são fatos corriqueiros e muito menos são compatíveis com o respeito recíproco que deve permear a relação de emprego”, disse.

Ao Notícias da TV, o repórter disse está muito feliz com a decisão que foi tomada pelo juiz do trabalho Adalberto Ellery Barreira Neto. “Fico muito feliz. Por ter falado a verdade –que é dever do jornalista– e denunciado arbitrariedades. Enfrentei muitos problemas, inclusive retaliações depois da minha saída. Ver a justiça sendo feita, de certa forma, lava a minha alma”, disse.

Outros artigos