Dicas de Saúde, , Saúde

Dieta do limão provoca erosão dentária e aumento de cáries entre as mulheres

Quantas de nós já não fez as maiores loucuras para estar dentro dos padrões beleza? E quando a receita é natural, fácil e acessível? Adoramos! A mais conhecida fórmula para o emagrecimento é a ingestão do sumo do limão – puro ou misturado com água, bebido em jejum pela manhã e continuando ao longo do dia. Como a maioria deve saber, o limão é rico em nutrientes, vitaminas e uma lista infindável de benefícios, mas o que poucas mulheres sabem é que ele só começa a ter efeitos benéficos quando é metabolizado pelas células. É nesse momento que o potencial de Hidrogeniônico (pH) ácido muda para alcalino e, então, passa agir positivamente. O problema está no caminho até chegar ao metabolismo: o limão é muito ácido!

Na escala de pH – que vai de 0 (ácido) a 7 (neutro); de 7 a 14 (alcalino) – ele possui pH2, ou seja, a acidez do limão é capaz de provocar corrosão nos dentes, principalmente quando consumido em jejum pela manhã. E aqui cabe uma explicação. À noite salivamos menos, então, os dentes ficam menos protegidos quando acordamos.

A acidez do limão provoca microporosidades na superfície do esmalte e, se for escovado imediatamente após a ingestão do sumo, sofre ainda mais com a abrasão das cerdas da escova. Um outro fator negativo é o aumento da probabilidade de “manchar” o dente, principalmente se houver o hábito de ingestão de alimentos com mais pigmentação.

Estou falando sobre a abrasão dentária – a perda progressiva do revestimento dental por processos químicos que não envolvem ação bacteriana e provocam ambiente ideal para proliferação de bactérias. Essas, aliás, são a origem da cárie, sobretudo quando associado a um hospedeiro susceptível à má higienização e a uma alimentação altamente cariogênica. Há, também, a questão da sensibilidade.

Na fase adulta, as cáries não são tão comuns, mas com o advento do limão, muitas pacientes têm sido diagnosticadas com número alto dessa incidência. Após uma breve sondagem sobre os hábitos alimentares, estilo de vida e escovação, verifiquei que a maioria dessas pacientes aderiu à essa dieta. Muitas perguntas, então, o que devem fazer. Deixam claro, inclusive, que não vão abandonar o hábito do sumo de limão.

Calma! Para manter esse ritual, bastam alguns cuidados: fazer uso de canudos – evitando o contato direto com os dentes –; não ingerir puro, sim com outros alimentos mais neutros ou alcalinos durante as refeições; ingerir água para equilibrar o pH; escovar os dentes de 15 a 30 minutos após a ingestão para dar tempo que a saliva reestabeleça o pH bucal e garanta a recuperação do esmalte. É importante fazer visitas periódicas ao dentista para manutenção da higiene bucal e identificação da biocorrosão dentária nos estágios iniciais; uso de creme dental e/ou enxaguantes bucais com flúor – que promovem a remineralização do esmalte –, associado ao uso de fio dental para remoção das placas onde a escova não alcança, de acordo com recomendações da Associação Dental Americana (ADA).

Estar de bem consigo mesma significa estar em equilíbrio e isso envolve cuidados para não prejudicar outros aspectos da saúde.


Artigo escrito pela Dra. Selma Nishimura – que é cirurgiã dentista na clínica Care Center Brasil. Graduada em Odontologia pela Faculdade de Odontologia UNIP (FOUNIP-SP), possui especialização em Implante pela Faculdade São Leopoldo Mandic SP; capacitação em Toxina Botulínica e Preenchimentos Faciais; e certificação em Ozonioterapia na área odontológica, pela Associação Brasileira de Ozonioterapia (ABOZ).

Read More...

Destaques, Dicas de Saúde, , Saúde

Autossabotagem: o que é e como vencê-la?

Sabe quando criamos obstáculos na hora de realizar alguma tarefa ou ir em busca de nossos objetivos? O nome disso é autossabotagem. Esse comportamento não intencional é mais comum do que se imagina e, muitas vezes, ocorre de forma repetitiva, prejudicando não só a vida pessoal, mas também a profissional.

A automedicação, a procrastinação, o consumo excessivo de álcool e a compulsão por comida são os comportamentos de autossabotagem mais comuns. Eles ajudam a mascarar o que realmente precisa ser solucionado e, quase sempre, estão associados a uma autoimagem e autoestima negativas.

“A procrastinação, por exemplo, pode impactar negativamente a produtividade do indivíduo no trabalho. Adiar afazeres e compromissos são mecanismos de defesa diante da sensação de incapacidade que a pessoa tem de realizar algo”, explica David Braga, CEO da Prime Talent, empresa de busca e seleção de executivos de média e alta gestão, que atua em toda a América Latina.

Se você se encaixa nesse perfil, precisa se perguntar o que o tem levado a adiar ou evitar determinada situação. Afinal, o que você faz que sempre lhe prejudica? Costuma se atrasar sempre? Vive reclamando da empresa ou do seu superior no ambiente de trabalho? Sabota a própria dieta ou a ida à academia? O autoconhecimento é fundamental para vencer a autossabotagem.

Após identificar a causa, é possível reprogramar seus pensamentos e traçar metas para conquistar o que deseja. A pessoa que se autossabota deve enfrentar a si mesmo. “Quando você se conhece profundamente, passa a compreender quais são seus pontos fortes e fracos. É passando por obstáculos que encontramos a nossa verdadeira força interior”, assinala Braga.

Read More...

Dicas de Saúde, , Saúde

Mitos e verdades sobre a fertilização in vitro

Há casais que sofrem de problemas de saúde que podem causar infertilidade. Isso faz com que tenham dificuldades em engravidar, mesmo quando a mulher ainda está em seu período reprodutivo. Nesses casos, é possível recorrer a técnicas de reprodução assistida, sendo a FIV (fertilização in vitro) a mais realizada no mundo devido às suas altas taxas de sucesso.

Contudo, em se tratando de uma inovação na área de medicina, a FIV também gera uma série de questionamentos. Os médicos da Clínica Origen, Dr. Marcos Sampaio* e Dr. Selmo Geber*, desvendam alguns mitos sobre o procedimento e as principais dúvidas ao se tratar do tema.

A fertilização in vitro pode ser feita em qualquer idade

Mito. Indica-se, hoje, que as mulheres devam tentar a técnica até os 43 anos de idade, pois a viabilidade do embrião se reduz significativamente a partir desse momento. Entretanto, há casos de mulheres que, mesmo após os 43, conseguiram engravidar pelo procedimento de FIV.

Quanto mais embriões utilizar, maiores as chances de sucesso

Mito. A taxa de sucesso depende diretamente da qualidade do óvulo, que por sua vez está relacionada à “idade do óvulo”. Quanto mais jovem, maiores as chances de sucesso, independentemente do número de embriões. Por isso, mulheres mais jovens tem menos embriões transferidos.

É possível avaliar a fertilidade pelo ultrassom transvaginal

Verdade. Esse exame é essencial para verificar os órgãos reprodutores femininos. Isso porque é possível identificar os ovários e o útero. Por meio dele também é possível avaliar a reserva ovariana da mulher fazendo a contagem de folículos antrais. Dessa forma, ele auxilia na investigação e no tratamento da infertilidade.

Inseminação Artificial e Fertilização In Vitro são os mesmos procedimentos com nomes diferentes

Mito. Fertilização in vitro consiste na junção do óvulo com espermatozoide em laboratório (in vitro) e posterior transferência do embrião já formado para o útero. Inseminação artificial é a transferência intrauterina do sêmen preparado no momento da ovulação, após estímulo hormonal adequado (a fecundação ocorre naturalmente no organismo da paciente). As duas técnicas têm indicações específicas, avaliadas pelo médico especialista.

A fertilização in vitro pode ser usada para prevenir as doenças hereditárias?

Verdade. A FIV pode prevenir doenças hereditárias. Os futuros pais, sabendo da existência de alguma doença genética, podem recorrer à seleção de embriões sem os genes responsáveis pela doença. Ao optar pelo diagnóstico genético pré-implantacional, a chance de desenvolver a doença avaliada é muito inferior. Quando os futuros pais sabem de alguma doença genética na família, podem recorrer à técnica de seleção de embriões, por meio da qual são escolhidos aqueles que não possuem o gene portador do mal que aflige a família.

A técnica é indicada apenas para mulheres com alterações tubárias

Mito. Casais com dificuldades para engravidar podem recorrer a esse procedimento mediante indicação médica. As razões que levam diversas pessoas a procurar pelo método são muito mais amplas, podendo incluir, inclusive, problemas de fertilidade por parte do próprio homem, como baixa contagem de espermatozoides e casais homossexuais que buscam por alternativas para formar uma família.

O bebê gerado pela fertilização in vitro é menos saudável

Mito. A diferença entre a fertilização natural e a in vitro acontece apenas até o momento da fecundação, já que o restante da gestação ocorre de maneira normal, no útero da mãe ou barriga de aluguel. Isso significa que o bebê gerado por esse método tem as mesmas chances de se desenvolver de forma saudável e normal quanto qualquer outro.

A fertilização in vitro funciona 100% das vezes

Mito. Não há como prover tal garantia, pois a implantação depende de uma série de fatores, principalmente da idade da mulher provedora do óvulo. Porém, em muitos casos, essa é a melhor chance do casal.

No Brasil já é possível pagar por uma barriga de aluguel

Mito. No Brasil a “barriga de aluguel” (útero de substituição) não tem caráter financeiro. Tal prática tem caráter altruísta e é permitida entre parentes ou em casos especiais autorizados pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).

Curiosidade:

A fertilização in vitro é uma das técnicas mais modernas de tratamento da infertilidade. O primeiro bebê de proveta, gerado através da técnica de fertilização in vitro, foi Louise, que nasceu em 1978. A partir de então a técnica foi continuamente aperfeiçoada e hoje pode ser indicada para vários casais com os mais diferentes tipos de dificuldade em ter filhos.

Read More...

Destaques, Dicas de Saúde, , Saúde

Além do frango e batata-doce: confira dicas para o crescimento muscular e ganho de massa magra

Quem pratica atividade física para ganhar massa magra certamente já ouviu falar que precisa inserir alimentos ricos em proteínas na dieta. “Isso é necessário, uma vez que os aminoácidos proporcionam o crescimento e a reparação de tecidos, e isso inclui a massa muscular. Esses nutrientes também atuam no metabolismo celular e na contração dos músculos”, afirma a médica nutróloga Dra. Marcella Garcez, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da ABRAN. Por isso, é comum o consumo de frango por quem está buscando hipertrofia, mas é possível ir bem além desse cardápio para ganhar massa muscular, com muita saúde e ainda prevenindo doenças em consequência da monotonia alimentar.

Segundo a médica, para conseguir construir músculos, é necessário também investir em alimentos ricos em carboidratos (que fornecem energia para a recuperação das fibras) e gorduras saudáveis (que são essenciais para o ganho e manutenção da massa muscular). “Após o término do exercício também há a necessidade da ingestão de carboidratos para a reposição de glicogênio muscular e hepático”, diz a médica. Vegetais também são importantes, porque contêm vitaminas e minerais, que ajudam na recuperação do organismo depois dos exercícios.

A nutróloga destaca que a principal função da alimentação pré-treino é auxiliar na melhora do desempenho físico durante a prática de exercícios físicos e evitar que o organismo fique fadigado, com hipoglicemia e queda de seu rendimento. “A alimentação pré-treino precisa conter uma combinação adequada de alimentos para obtermos o máximo possível de força e energia. Com isso, os principais alimentos para uma boa alimentação pré-treino são os carboidratos. São eles que vão gerar a energia que o corpo precisa para realizar os exercícios físicos e evitar os sintomas de hipoglicemia. Além disso, os carboidratos servem para abastecer os músculos com glicogênio, ou seja, o glicogênio muscular serve como fonte direta de energia para que você consiga treinar o mais pesado possível. Porém, tudo depende do tempo de digestão que terá até o treinamento, para não sentir desconforto durante o exercício e não faltar glicogênio para os músculos”, diz a médica.

Segundo a médica, o suco de beterraba pode ser uma ótima opção para a alimentação pré-treino porque estimula a liberação de óxido nítrico pelo organismo e pode melhorar a resistência cardiorrespiratória em praticantes de exercícios físicos, a eficiência muscular, o desempenho, aumentar o tempo até a exaustão, além de otimizar o desempenho cardiorrespiratório e a captação de oxigênio pelos tecidos.

Além dos carboidratos no pré-treino, a pasta de amendoim vem sendo utilizada com frequência, pois possui a função de disponibilizar energia rápida ao atleta, poupando a massa muscular de ser utilizada como fonte energética. “Porém, é necessário avaliar cada caso, pois ela é fonte de gordura, tem quantidade alta de calorias em poucas porções, mas oferece vitaminas e minerais como o potássio que melhora o funcionamento muscular”, diz a médica. Dependendo da estratégia, ela pode ser usada também no pós-treino.

Por causa da sua composição e carga calórica, a clara do ovo é uma boa fonte de proteínas, por ser rica em albumina, uma proteína de origem animal com alto valor biológico porque oferece ao organismo todos os aminoácidos essenciais de que ele precisa. “Aminoácidos essenciais são aqueles que o corpo humano não é capaz de sintetizar, portanto devem ser consumidos através dos alimentos. A clara de ovo é um alimento de baixa caloria, pois cada unidade oferece de 15 a 20kcal, dependendo do tamanho da unidade, e apenas 52 kcal/100g de claras, basicamente composto de proteína de alta qualidade, que oferece sensação de saciedade por horas após o consumo, muito bem indicado para compor um plano alimentar com objetivo de emagrecimento. Livre de colesterol e fonte de BCAA, as claras de ovos podem ser incluídas em dietas para reparo e hipertrofia muscular por causa de sua composição proteica”, afirma a nutróloga.

Para recuperação muscular, outro alimento que pode ser ingerido é o abacate, por ser fonte de potássio. “Ele ajuda na absorção das proteínas, é rico em ácido fólico auxiliando na formação do tecido muscular e atua nos hormônios, aumentando os níveis de testosterona. Isso gera aumento da massa muscular e evita a fadiga muscular porque combate os radicais livres que surgem devido ao exercício intenso”, diz. Além disso, quando ingerido antes de dormir, o abacate potencializa a ação do hormônio do crescimento (GH), responsável pela construção e recuperação dos músculos. “Mas atenção: a medida recomendada é de duas colheres de sopa.”

Com ferro e nitratos, o espinafre é outra boa opção para aumentar o ganho de massa magra, pois é rico em proteína, vitaminas e minerais. “Fonte de proteína vegetal, o espinafre contém boas quantidades de vitamina K, vitamina C, vitamina E, Ferro, Fibras, Cálcio e vitaminas do grupo B”, diz a médica. “A ervilha também é uma boa fonte de proteínas vegetais e ainda fornece muitas fibras. Com alta quantidade de aminoácidos essenciais, ideais para quem quer ganhar massa muscular, pois são necessários para a síntese proteica. A ervilha tem quantidades de aminoácidos essenciais comparáveis às proteínas de origem animal”, explica.

Por fim, a médica lembra que uma boa dica é variar a dieta, investindo em alimentos como: feijão com arroz integral, frango, ovo, quinoa, nozes, castanha, iogurte natural, salmão, linhaça, brócolis e aveia. “Consulte sempre um médico ou nutricionista para adequar a sua alimentação ao seu objetivo”, finaliza.

Read More...

Destaques, Dicas de Saúde, , Saúde

Descubra como o abacate auxilia no emagrecimento e na prática esportiva

Muito tem se falado do abacate nos últimos anos, já que cada vez mais são descobertos os benefícios que o alimento pode trazer à saúde. Porém, não foi sempre assim; o abacate, há poucos anos, era visto com maus olhos por ser uma fruta que contém muitas calorias. Mas você sabia que o abacate, mesmo sendo calórico, auxilia na performance esportiva e é um bom aliado no emagrecimento?

A Dra. Marcella Garcez, médica nutróloga e professora da Associação Brasileira de Nutrologia, explica: “O abacate é uma fruta rica em gordura insaturada, popularmente apelidada de gordura boa. Isso faz com que seja saudável para qualquer pessoa, em especial praticantes de exercícios, pois esses necessitam de mais gordura insaturada. Além disso, o abacate é rico em vitaminas C e E, ômega 6, ômega 9, ômega 7, ácido fólico, potássio, beta-sitosterol e uma alimentação que inclui frequentemente a fruta pode aumentar as taxas de HDL (colesterol bom) e diminuir o colesterol total, protegendo, assim, a saúde cardiovascular”, diz a médica.

Outro fator que beneficia os praticantes de exercícios físicos são os antioxidantes presentes na fruta, sendo que os abacates e suas espécies são importantes fontes alimentares de carotenoides e glutationa, potentes antioxidantes. “Os antioxidantes ajudam a destruir os radicais livres gerados pelo exercício intenso. É extremamente importante obter antioxidantes por meio da alimentação, pois eles fornecem elementos com disponibilidade distinta daqueles encontrados nos suplementos. Quanto ao emagrecimento, por ser rico em fibras, o abacate ajuda a dar a sensação de saciedade e diminuir o apetite, controlando a fome e, consequentemente, os níveis de insulina, além de garantir o funcionamento do intestino”, destaca a nutróloga, que complementa explicando os efeitos do abacate se consumido na hora de dormir: “Nesse caso, o abacate potencializa a ação do GH – hormônio do crescimento – pois seu pico de produção acontece no período noturno. Dessa forma, ajuda a formar músculos e faz o organismo utilizar a gordura armazenada como fonte energética”, explica.

Vale ressaltar que, além dos benefícios aos que almejam emagrecer ou aumentar a performance esportiva, o abacate possui diversos outros, que incluem: auxílio no tratamento das hiperlipidemias (aumento de gordura no sangue e que pode gerar problemas no coração); efeito anti-inflamatório, graças à vitamina E; melhora na biodisponibilidade de vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K), melhora na circulação sanguínea, fortalecimento do sistema imunológico, gera benefícios à pele e ao cabelo; auxilia no controle do colesterol e triglicérides; seu consumo diminui a chance de diabetes; além de regular o ciclo menstrual e melhorar o sono. “A introdução regular de abacate na alimentação deve ser feita sob acompanhamento nutrológico, para que a quantidade seja indicada corretamente a fim de potencializar ao máximo os benefícios do alimento e minimizar a chance de um efeito indesejado. Já que a fruta é calórica, deve ser consumida idealmente em pequenas quantidades, nos planos alimentares de emagrecimento”, finaliza a Dra. Marcella Garcez.

Read More...