Destaques, Política

‘Pretendo beneficiar filho meu, sim’, diz Bolsonaro

(ANSA) – O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a indicação de um de seus filhos, Eduardo Bolsonaro, ao cargo de embaixador nos Estados Unidos e disse que pretendia “beneficiar o filho, sim”. “Pretendo beneficiar filho meu, sim. Se eu puder dar um filé mignon para o meu filho, eu dou, mas não tem nada a ver com o filé mignon essa história aí. É aprofundar o relacionamento com a maior potência do mundo”, alegou o mandatário, em sua tradicional transmissão ao vivo via Facebook, a qual faz toda quinta-feira à tarde.

Bolsonaro já anunciou que está decidido a endossar a indicação de Eduardo. A decisão, porém, tem dividido opiniões, pois o filho do presidente não tem formação na área nem experiência como diplomata. Além disso, a oposição aponta para um caso de nepotismo. “Você tem de ver o seguinte: é legal? É. Tem algum impedimento? Não tem impedimento. Atende ao interesse público, qual o grande papel do embaixador? Não é o bom relacionamento com o chefe de Estado daquele outro país? Atende isso? Atende. É simples o negócio”, disse Bolsonaro, ontem, ao deixar o Palácio da Alvorada.

+ Maia é ‘nosso general’ para aprovar reforma da Previdência, diz Bolsonaro

+ Datafolha mostra divisão do eleitorado sobre Bolsonaro

Para virar embaixador, Eduardo Bolsonaro precisaria ainda ser aprovado pelo Senado. Na Casa, os senadores se dividem quanto à ideia. Já nos Estados Unidos, o filho do presidente Donald Trump, Eric, negou que possa virar embaixador no Brasil, como um gesto de amizade entre os dois países e como o gabinete de Bolsonaro chegou a cogitar. “Eric dirige as Organizações Trump e está comprometido com o negócio. O Brasil é um país incrível, mas isso [ser embaixador] não passa de um rumor”, esclareceu a porta-voz de Eric, Kimberly Benza, consultada pelo jornal “O Globo”.

Read More...

Destaques, Política

Câmara dos Deputados aprova texto-base da reforma da Previdência

Depois de oito horas de debates, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou, em primeiro turno, o texto principal da reforma da Previdência. A proposta teve 379 votos a favor e 131 votos contra.

Agora, os parlamentares começam a votar os 20 destaques apresentados pelas bancadas. Mais cedo, os deputados tinham concordado em derrubar as emendas individuais e manter apenas as de bancada.

Os destaques mais aguardados são o que aumenta a aposentadoria para as trabalhadoras da iniciativa privada e o que suaviza as regras de aposentadorias para policiais e agentes de segurança que servem à União.

A reforma da Previdência precisava de 308 votos, o equivalente a três quintos dos deputados, para ser aprovada. Se aprovado em segundo turno, o texto segue para análise do Senado, onde também deve ser apreciado em dois turnos e depende da aprovação de, pelo menos, 49 senadores.

O debate do texto principal foi aberto por volta das 17h, quando a Câmara rejeitou o último requerimento de retirada de pauta da reforma da Previdência. Nas últimas horas, os líderes dos partidos estavam encaminhando as orientações para as bancadas.

Read More...

Destaques, Política

Bolsonaro diz que indicará evangélico para o STF

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que indicará um ministro evangélico para o Supremo Tribunal Federal (STF), pois, para ele, a busca pelo “resgate dos valores familiares” deve estar presente em todos os poderes do país. “Entre as duas vagas que terei para indicar para o Supremo um deles será terrivelmente evangélico”, disse, durante sua participação em um culto da bancada evangélica na Câmara dos Deputados, na manhã desta quarta-feira (10).

No mês passado, ao criticar a decisão do STF de criminalizar a homofobia como forma de racismo, Bolsonaro já havia sugerido a indicação de um evangélico para a Corte. Até 2022, o presidente da República poderá indicar nomes para pelo menos duas vagas, que serão aberta com a aposentadoria compulsória dos ministros Marco Aurélio e Celso de Mello.

Hoje, Bolsonaro elogiou a atuação dos parlamentares evangélicos nos últimos anos. “Vocês sabem o quanto a família sofreu nos últimos governos. Vocês foram decisivos na busca da inflexão do resgate dos valores familiares”, disse. “Quantos tentam nos deixar de lado dizendo que o Estado é laico. O Estado é laico mas nós somos cristãos. Ou para plagiar a minha querida Damares, nós somos terrivelmente cristãos”, disse, em referência à declaração da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves.

Read More...

Política

Maia é ‘nosso general’ para aprovar reforma da Previdência, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta terça-feira (9) estar confiante na aprovação da reforma da Previdência pela Câmara dos Deputados antes do início do recesso parlamentar, em 18 de julho. Ele também chamou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de “nosso general” em defesa do projeto.

“Segundo informações de vocês mesmos [da imprensa], Rodrigo Maia é o nosso general dentro da Câmara agora para aprovar, com toda certeza, antes do recesso, nos dois turnos, essa nova Previdência”, disse Bolsonaro a jornalistas ao sair de uma reunião com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

O plenário da Casa inicia ainda hoje (9) a discussão da matéria. Aprovada na madrugada de sexta-feira (5) na Comissão Especial, após 16 horas de debates, o texto precisa do voto favorável de pelo menos 308 deputados, em dois turnos de votação, para ir à análise do Senado.

Assim como Bolsonaro, o presidente da Câmara está otimista na aprovação do texto com uma boa margem de votos, em torno de 330. Se validado pelos deputados, o texto segue para análise do Senado, onde também deve ser apreciado em dois turnos de votação e depende da aprovação de, pelo menos, 49 senadores.

Read More...

Destaques, Política

Datafolha mostra divisão do eleitorado sobre Bolsonaro

(ANSA) – Pesquisa divulgada pelo instituto Datafolha nesta segunda-feira (8) mostra que tanto a aprovação quanto a reprovação do governo Jair Bolsonaro oscilaram para cima desde abril.

Segundo o levantamento, 33% consideram a atual gestão “ótima ou boa”, contra os 32% da última sondagem, enquanto o índice de “ruim ou péssimo” saiu de 30% para os mesmos 33%.

Já aqueles que consideram o governo Bolsonaro regular oscilaram de 33% para 31%, enquanto os que não sabem ou não responderam saíram de 4% para 2%. A pesquisa foi realizada entre 4 e 5 de julho e ouviu 2.086 eleitores, com margem de erro de dois pontos percentuais.

De acordo com o instituto, esse é o índice mais baixo de aprovação para um presidente nos seis meses iniciais de seu primeiro mandato desde a redemocratização. O recorde negativo anterior era de Fernando Collor, com 34% de “ótimo ou bom”. Já Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff registraram índices de 40%, 42% e 49%, respectivamente.

Ainda segundo o Datafolha, 61% consideram que Bolsonaro fez pelo país “menos do que esperava”, 12%, “mais do que esperava”, e 22%, “o que esperava que ele fizesse. Apesar disso, 51% ainda esperam que Bolsonaro faça um governo “ótimo ou bom”, 21%, “regular”, e 24%, “ruim ou péssimo”.

Read More...