Mundo

EUA lançam ataques cibernéticos contra o Irã

(ANSA) – Os Estados Unidos lançaram na última quinta-feira (20) uma série de ciberataques contra o Irã, informou neste domingo (23) o jornal “The New York Times”.

Os ataques cibernéticos teriam como alvo agentes de segurança e inteligência do regime iraniano, quem Washington acredita que esteja por trás das explosões contra dois petroleiros no Golfo de Omã.

Os ciberataques começaram no mesmo dia em que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cogitou lançar mísseis contra o território do Irã, mas desistiu. De acordo com fontes ouvidas pelo jornal, os ataques cibernéticos afetaram os sistemas informáticos de lançamentos de mísseis do Irã. Mas, segundo especialistas, é difícil mensurar os danos.

Estados Unidos e Irã vivem uma escalada de tensão desde o ano passado, quando Trump abandonou o acordo nuclear assinado em 2015 com Teerã. Neste mês de junho, dois petroleiros explodiram no Golfo de Omã, e os Estados Unidos acusaram o Irã pelo ataque. Em seguida, o regime iraniano derrubou um drone de vigilância norte-americano.

Além dos incidentes, as autoridades de ambos os países têm trocado declarações de ameaças. Durante uma sessão do Parlamento iraniano, deputados entoaram palavras como “morte à América”. “A América é o verdadeiro terrorista que difunde o caos, fornece armas avançadas aos grupos terroristas e agora vem e diz: ‘vamos negociar'”, ironizou o vice-presidente do Parlamento, Masoud Pezeshkian.

Read More...

Mundo

Ex-presidente da Uefa, Michel Platini é detido na França

(ANSA) – O ex-presidente da Uefa (2007-2015) Michel Platini foi detido nesta terça-feira (18), na França, sob suspeita de corrupção na escolha do Catar como sede da Copa do Mundo de 2022.

Platini, que já foi campeão pela Juventus, na Itália, e marcou a história como jogador nos anos 1980, está sob custódia da polícia de Nanterre, perto de Paris. As autoridades confirmaram que sua prisão ocorreu para que ele prestasse depoimento.

Platini está sendo investigado por “supostos atos de corrupção ativa e passiva de funcionários não públicos” para a escolha do Catar.

O caso também envolve nomes de peso da política da França, como Sophie Dion, ex-conselheira do ex-presidente Nicolas Sarkozy (2007-2012). Claude Gueant, antigo secretário geral do governo da França, foi convocado para depor em condição de “suspeito livre”.

O Catar foi eleito sede da Copa em 2010, em uma votação em que derrotou a candidatura dos Estados Unidos.

A primeira investigação sobre corrupção e conspiração criminal na escolha do Catar foi aberta pela Promotoria Financeira Nacional (PNF) da França em 2016. Em dezembro de 2017, Platini foi ouvido como testemunha e admitiu que votou no Catar em dezembro de 2010.

De acordo com o jornal “Le Monde”, o foco das investigações é um almoço organizado no Palácio do Eliseu, em 23 de novembro de 2010. No evento, estavam presentes Nicolas Sarkozy, Michel Platini, o Emir do Catar, Tamim Ben Hamad Al Thani, e o então primeiro-ministro do emirado, Sheikh Hamad, Bem Jassem.

Platini já cumpre um suspensão como dirigente esporte por ferir o código de ética da Uefa ao aceitar um pagamento indevido de 1,8 milhão de euros autorizado pelo ex-presidente da Fifa Joseph Blatter.

Read More...

Mundo

Terremotos deixam 12 mortos e 125 feridos na China

(ANSA) – Dois terremotos na província de Sichuan, no sudoeste da China, deixaram ao menos 12 mortos e 125 pessoas feridas.

Os tremores de terra, com magnitude de 5.2 e 5.8 graus na escala Richter, de acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), e de 6 graus segundo as autoridades chinesas, ocorreram por volta das 22h55 locais de segunda-feira (17).

Vários edifícios e estradas ficaram danificados com os abalos, que também foram sentido em outras cidades da região, como Chengdu.

Em 2008, um terremoto de 8 graus em Sichuan provocou a morte de 90 mil pessoas. Seu epicentro estava a apenas 40 km dos tremores registrados ontem.

Read More...

Mundo

Bolsonaro e Paulo Guedes cogitam “moeda comum” com Argentina

(ANSA) – O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes discutiram a criação de uma moeda única para Brasil e Argentina, a qual pode se chamar “peso real“. O tema veio à tona na tarde de ontem (6), em um encontro em Buenos Aires entre Bolsonaro, Guedes e empresários.

A ideia, porém, foi proposta pelo ministro da Economia da Argentina, Nicolás Dujovne. Segundo Guedes, no futuro, é possível que haja cerca de apenas cinco moedas no mundo, e a do Mercosul facilitaria a integração regional.

Desde a criação do Mercosul, em 1991, os países do bloco cogitam a possibilidade de estabelecer uma moeda comum, mas, até agora, nada tinha sido feito para avançar com o projeto. Neste momento, no entanto, a ideia está sendo analisada apenas por Brasil e Argentina, sem envolvimento do Paraguai e do Uruguai, outros membros do bloco. Após a reunião em Buenos Aires com Bolsonaro e Guedes, porém, o Banco Central publicou um comunicado negando que a moeda única esteja sendo estudada.

“O Banco Central do Brasil não tem projetos ou estudos em andamento para uma união monetária com a Argentina. Há tão somente, como é natural na relação entre parceiros, diálogos sobre estabilidade macroeconômica, bem como debates acerca de redução de riscos e vulnerabilidades e fortalecimento institucional”, diz a nota.

Read More...

Mundo

China e Rússia se unem contra guerra comercial dos EUA

Os presidentes da Rússia e China, Vladimir Putin e Xi Jinping, lançaram uma contraofensiva em resposta à guerra comercial entre os Estados Unidos e o país asiático. A reunião dos líderes, que se realizou em Moscou, buscou fortalecer a cooperação entre os países, que assinaram diversos acordos comerciais.

“Propomos resistir à imposição de restrições infundadas ao acesso aos mercados de produtos de tecnologias da informação com a desculpa de garantia de segurança nacional, assim como à exportação de produtos de alta tecnologia”, diz uma declaração assinada ontem (5) pelos dois presidentes no Kremlin, na qual Rússia e China se comprometem a ampliar a cooperação estratégica e desenvolver novas parceiras.

O documento também ressalta os planos de “se opor à ditadura política e à chantagem na cooperação comercial e econômica internacional, e condenar a aspiração de alguns países de se acharem no direito de decidir os parâmetros de cooperação entre outros países”.

Acusados de promoverem censura nas redes, Putin e Xi também prometeram “garantir o funcionamento pacífico e seguro da internet sobre a base da participação em igualdade de condições de todos os países em tal processo”.

Putin e Xi ressaltaram que “nos últimos anos” as relações entre Rússia e China atingiram níveis “sem precedentes” na história e citaram como exemplo as trocas comerciais, que já superaram US$ 108 bilhões.

A China é um dos principais alvos dos Estados Unidos numa guerra comercial. Recentemente, o presidente americano, Donald Trump, ameaçou sobretaxar praticamente quase todos os bens chineses importados pelos EUA. Em resposta, Pequim alertou sobre a possível falta de terras raras, matéria-prima fundamental para a indústria de alta tecnologia, smartphones e automóveis. Os americanos importam da China 80% das terras raras que utilizam.

Read More...