MS

Suspeito de falsificar atestados de óbito liga para falso médico para descartar provas

Suspeito de falsificar atestados de óbitos na capital de Mato Grosso do Sul, o agente funerário Anderson Ferreira de Souza, de 35 anos, estava tentando efetuar uma chamada para o dentista, de 52 aos, que se passava por médico para carimbar e assinar os documentos. Souza queria que o dentista escondesse os carimbos utilizados para façanha para que não fosse descoberto. O flagrante foi feito de dentro da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Piratininga, em Campo Grande, onde Ferreira de Souza permanece para prestar depoimento.

Assim que um médico chegou na delegacia, acompanhando de um diretor do Serviço de Verificação de Óbito (SVO), na terça-feira (17), a polícia deu início as investigações. “Ele disse que o seu nome estava sendo usado indevidamente e apresentou uma declaração de óbito em seu nome. O médico recebeu uma ligação dizendo que havia contradições e inverdades nesta declaração, sendo que ele, de maneira proativa, nos relatou que um médico ou uma pessoa comum estava usando o seu nome”, explicou o delegado que está a frente do caso, Hoffman D’Avila.

Com o segmento das averiguações do caso, os agentes começaram a desvendar o que realmente tinha acontecido. “Houve uma morte natural e a família desta pessoa acionou o Samu [Serviço de Atendimento Médico de Urgência]. No entanto, o médico constatou a morte e não fez a declaração de óbito. A família então foi procurada pelo agente, que ofereceu um suposto médico para entregar o documento, mediante o pagamento de R$ 300”, explicou o delegado. Ressaltando que o dentista em questão, havia passado até um cartão de débito para a família e depois fez o documento, o que mostrou “total desrespeito a classe médica e a polícia judiciária”.

Ainda segundo D’Avila, os autores do crime vão responder por uso de documento falso, falsificação de documento público, estelionato e exercício ilegal da profissão. “No caso do dentista, apreendemos dois carimbos de médicos, valores em dinheiro e celulares no qual a dupla mantinha conversas. O caso será agora encaminhado para a delegacia especializada e vamos verificar se tem mais pessoas envolvidas nos crimes”, disse.

Entenda o caso

O dentista e o agente funerário foram presos na noite de terça-feira (17), ambos suspeitos de falsificarem os atestados. De acordo com informações policiais, o dentista se passava por médico e recebia valores de R$ 300 e R$ 500 para emitir o documento que é um processo burocrático feito na delegacia.

Uma funcionária, que trabalha no Serviço de Verificação de Óbito (SVO), acabou descobrindo o esquema, devido a uma assinatura. Ela ainda entrou em contato com o médico, mas ele negou a informação. Ainda desconfiada, procurou a polícia que seguiu para as investigações e acabou prendendo os acusados.

Read More...

MS

Obra de arte volta a ser exposta depois de polêmica no Mato Grosso Sul

O quadro que foi lacrado e retirado do Museu de Arte Contemporânea (Marco), no Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande na última quinta-feira (14), voltou a ser exposto neste sábado (16). A obra “Pedofilia”, da exposição “Cadafalso”, havia sido apreendida pela polícia Civil de Mato Grosso Sul.

O motivo da apreensão foi que, três deputados registraram boletim de ocorrência contra a artista plástica Alessandra Cunha, de Minas Gerais, alegando que as obras possuem conteúdo erótico e fazem apologia à pedofilia.

Na sexta-feira (15), o secretário de Cultura e Cidadania de Mato Grosso do Sul, Athayde Nery, fez um acordo com a polícia para retirar a obra da delegacia e devolver ao museu, sob a condição da classificação de 18 anos ser respeitada. “É uma questão de manter os dois lados. A liberdade de expressão, com a artista aqui, e também a questão de respeito à observação das autoridades em relação à idade limite”, afirmou Nery.

O retorno da obra foi comemorado pela coordenadora do Marco, Lúcia Mostserrat, e falou ainda que a intenção da artista é provocar reflexão. “Você não sai daqui da sala passivo. Você cresce com esse olhar, com esse questionamento que ela traz. E é muito importante, e eu acho assim, é muito bonito o trabalho, é muito suave, ao mesmo tempo que o tema é pesado”, avaliou Lúcia.

A mostra “Cadafalso” da artista mineira está exposta no Marco desde junho. O museu vai manter o calendário e a exposição ficará aberta até domingo (17), sem ser prorrogada.

Read More...

MS

Duas pessoas morrem vítimas de dengue este ano no MS

A secretária de Estado de Saúde (SES) ratificou nesta última semana a segunda morte por dengue no Mato Grosso do Sul, o jovem era de Camapuã.

Segundo outro boletim do SES no ano de 2017 o estado também registrou casos de morte por leishmaniose, no Campo Grande e em Corumbá.

Até o momento foram registrados 2.469 casos, em média 22 por dia. No Mato Grosso do Sul foram registrados 29 casos de leishmaniose.

Durante o ano passado ocorreram 59.874 casos no estado, quase 534 novos diagnósticos. 19 pessoas faleceram.

Ambas as doenças são transmitidas por mosquitos, a dengue pelo Aedes aegypti e a leishmaniose pelo flebótomo.

Prevenção

A dengue causa febre alta, dor ocular, vermelhidão, coceira, entre outros sintomas, já a Leoshmaniose pode ser visceral ou cutânea. Cutânea como o próprio nome diz, se refere a feridas na pele e ao progredir a  doença  pode ir para as mucosas, como o nariz e a boca. A visceral agride inúmeros órgãos internos e normalmente afeta crianças.

A visceral causa febre, anemia,  indisposição, perda da coloração facial, perda de peso e inchaço, enquanto a cutânea causa uma pequena elevação da pele avermelhada que vai aumentando até ficar coberta por crosta e secreção.

Em ambos os casos é necessário procurar um médico imediatamente, evitar o uso de medicamentos sem prescrição médica (para eventualmente tentar sanar os sintomas). Já existe uma vacina para a prevenção da dengue, mas a melhor maneira de prevenir a mesma é acabando com os focos do mosquito e evitando sua proliferação, não deixando água parada, entre outras atitudes. Já no caso da Leishmaniose é necessário evitar tomar banhos de Rio em locais próximos a mata e é necessário detetizar a residência, utilizar repelentes, mosquiteiros e telas.

Read More...

MS

Enchente deixa 20 municípios em estado de emergência em Mato Grosso do Sul

Com a enchente que atingiu Fátima do Sul, município próximo a Campo Grande, subiu para 20 o número de municípios de Mato Grosso do Sul que decretaram situação de emergência por causa dos estragos provocados pela chuva das últimas semanas. A chuva atinge a região desde o fim de novembro.

Segundo a Defesa Civil do estado, 14 municípios em situação de emergência foram reconhecidos pelo governo estadual. Os demais decretaram emergência sem a intermediação do órgão. A Defesa Civil informa ainda que, até o momento, mais de 40 pontes foram destruídas e 27 rodovias interditadas.

O ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, anunciou, na semana passada, que o governo federal enviará cerca de 1,7 mil kits de ajuda humanitária para auxiliar as famílias afetadas pela enchente em Mato Grosso do Sul. Durante reunião com o governador Reinaldo Azambuja e prefeitos das cidades atingidas, Occhi afirmou que o governo apoiará a reconstrução das áreas destruídas e o restabelecimento das estradas.

“Neste primeiro momento, a prioridade é atender à população afetada, com cestas básicas, kits de limpeza, de higiene pessoal, kits dormitório e colchões. Já colocamos esse material à disposição do estado, por meio da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil do Ministério da Integração Nacional”, disse Occhi.

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), há previsão de chuva no nordeste e sul de Mato Grosso do Sul nos próximos dias.

Da Agência Brasil

Read More...