Fórmula 1

Hamilton vence em Singapura e amplia vantagem sobre Vettel

O britânico Lewis Hamilton, da Mercedes, venceu neste domingo (16) o Grande Prêmio de Singapura e ampliou sua vantagem na liderança do campeonato sobre Sebastian Vettel, da Ferrari, que chegou em terceiro. Max Verstappen (Red Bull), em segundo, completou o pódio.

Após ter batido o recorde da pista no treino classificatório, quando a escuderia de Maranello era a favorita, Hamilton só foi ameaçado em determinado momento por Verstappen, por ter ficado preso em retardatários, mas conseguiu se segurar.

Vettel ultrapassara o holandês da Red Bull na primeira volta, mas um erro de estratégia da Ferrari o fez perder a posição. Valtteri Bottas (Mercedes) chegou em quarto, à frente de Kimi Raikkonen (Ferrari).

Daniel Ricciardo (Red Bull), Fernando Alonso (McLaren), Carlos Sainz (Renault), Charles Leclerc (Sauber) e Nico Hulkenberg (Renault) completaram a zona de pontos. Com a vitória, Hamilton chegou a 281 pontos e abriu 40 de vantagem sobre Vettel, com 241, faltando seis corridas para o fim da temporada.

O próximo GP será disputado em Sóchi, na Rússia, em 30 de setembro.

Com informações da Agência ANSA*

Read More...

Fórmula 1

Felipe Massa voltará para a Williams na temporada 2017

(ANSA) – A equipe Williams anunciou nesta segunda-feira, dia 16, no seu Twitter, que o piloto brasileiro Felipe Massa, que tinha anunciado a sua aposentadoria no ano passado, voltará a competir na temporada de 2017.

“Estamos felizes em anunciar que Felipe Massa concordou em voltar para a Williams na temporada de 2017, em um contrato de um ano”, afirmou a escuderia na rede social. Massa substituirá o finlandês Valterri Bottas, que foi confirmado também nesta segunda como novo piloto da Mercedes, ocupando o lugar que antes era do alemão Nico Rosberg, que surpreendeu o mundo do automobilismo ao se aposentar após ter ganho seu primeiro campeonato mundial de Fórmula 1.

Com 35 anos, o piloto brasileiro, que já tem uma grande experiência, será o companheiro de equipe do jovem canadense Lance Stroll, de apenas 18 anos, que no momento do anúncio de aposentadoria de Massa no ano passado, teria sido escalado como seu substituto.

Massa anunciou que deixaria a Fórmula 1 em setembro do ano passado no circuito de Monza, na Itália. Durante o GP do Brasil, disputado em 14 de novembro em São Paulo, o piloto recebeu uma homenagem de despedida dos seus colegas da Williams.

Read More...

Fórmula 1

Nico Rosberg anuncia aposentadoria da Fórmula 1

(ANSA) – Cinco dias após tornar-se campeão mundial na Fórmula 1, Nico Rosberg, supreendeu o mundo e anunciou nesta sexta-feira (2) sua aposentadoria da Fórmula 1.

“Para mim, é um dia muito especial por receber o troféu nesta noite. Vai ser incrível, mas por outra razão: quero aproveitar a oportunidade para anunciar o encerramento da minha carreira na F1. Desde quando comecei, aos seis anos, tive esse sonho: se tornar campeão mundial, e isso estava claro em minha mente. Conquistei isso, dei tudo por isso, e com ajuda dos fãs consegui alcançar isso. Vou lembrar disso para sempre”, escreveu no Facebook.

Com uma longa postagem, o piloto alemão lembrou sua trajetória de 25 anos nos esportes a motor e ressaltou que “com todo o árduo trabalho, o sofrimento, os sacrifícios, esse era meu objetivo”. Rosberg destacou que a temporada atual, que encerrou no último domingo (27), foi “muito difícil” e que as decepções com a perda de título em 2015 e 2014 foram “meu combustível” para “elevar minha motivação a níveis que eu nunca tinha experimentado antes”. O alemão de 31 anos afirmou que tomou a decisão na última segunda-feira (28) à noite, após “refletir por um dia” e contei para Vivian, sua esposa, e Georg Nolt, que gerencia a carreira do piloto, e, por último, para Toto Wolff, chefe da Mercedes.

“No domingo de manhã em Abu Dhabi, eu sabia que aquela poderia ser minha última corrida e aquele sentimento clareou minha cabeça antes do início. Eu quis aproveitar cada parte da experiência, sabendo que poderia ser minha última vez… e quando as luzes apagaram, eu tive as mais intensas 55 voltas da minha vida”, escreveu o campeão.

Nico Rosberg começou a carreira na Fórmula 1 em 2006, disputando 206 GPs pela Williams e pela Mercedes. Conquistou ao todo 23 vitórias, 57 pódios e 30 pole-positions.

Read More...

Fórmula 1

Advogado de Schumacher nega que ex-piloto consiga andar

(ANSA) – O advogado da família do ex-piloto Michael Schumacher, Felix Damm, contou à Justiça alemã nesta segunda-feira (19) que o heptacampeão “infelizmente, não pode caminhar” nem com o auxílio de médicos e terapeutas.

A revelação foi feita os juízes por conta de um processo aberto pela família de Schumacher contra a revista alemã “Buntle”, que publicou uma matéria em 22 de dezembro de 2015 afirmando que o ex-piloto de 47 anos conseguia dar alguns passos.

A revista divulgou, de acordo com uma fonte sigilosa, que ele havia caminhado e levantava um dos braços com a ajuda dos terapeutas. Ainda na época, a porta-voz oficial da família, Sabine Kehm, informava que o “relatório apresentado não era verdadeiro” e que “tamanha especulação é irresponsável [porque] dão falsas esperanças para muitas pessoas envolvidas”.

Damm ainda disse aos magistrados que a publicação violou as leis de privacidade da Alemanha e esclareceu que o conteúdo da matéria não estava correto. A real situação da saúde de Schumacher é mantida sob grande sigilo, sem declarações oficiais há alguns meses. Desde que sofreu o acidente em uma pista de esqui, no fim de dezembro de 2013, pouco se sabe sobre o progresso do tratamento.

A última declaração sobre o estado de saúde do ex-piloto de F1 foi dada pelo ex-presidente da Ferrari Luca di Montezemolo. “Schumacher? Tenho notícias suas com frequência e, infelizmente, não são boas”, disse o italiano à revista “Quattroruote” em fevereiro deste ano.

Read More...

Fórmula 1

Grupo Liberty Media compra ações e assume controle da F1

(ANSA) – A Fórmula 1 tem novo dono. O grupo Liberty Media anunciou nesta quarta-feira (7) a compra de 18,7% das ações da categoria por US$ 746 milhões – em primeira parcela, em um processo de compra que chegará a US$ 8 bilhões, gradativamente, até 2017.

Enquanto a transação financeira não for concluída, a CVC Capital Partners, que detém a maior parte das ações, continua no comando. Na compra anunciada nesta quarta, a Liberty informou que comprou 100% das ações que pertenciam à Delta Topco, considerada a “empresa-mãe” da Fórmula 1.

Apesar da mudança, a gigante norte-americana informou que o atual chefão da F1, Bernie Ecclestone, continuará na categoria, como CEO pelos próximos anos, e que Chase Carey será o presidente do Formula One Group. No entanto, Ecclestone será subordinado ao atual vice-presidente do estúdio de cinema 21st Century Fox – abrindo mão do controle total das ações esportivas como ocorre nas últimas décadas.

O presidente da Liberty, Greg Maffei, afirmou que está “empolgado” com a nova fase de sua empresa. “Nós estamos empolgados em fazer parte da Fórmula 1. Nós pensamos em perspectivas de longo prazo e, a nossa experiência com esportes e mídia, nos permitirá ser bons administradores da Fórmula 1 para beneficiar fãs, equipes e acionistas”, destacou em comunicado.

Ainda no documento, Ecclestone apenas mencionou que “quer dar as boas vindas à Liberty Media e a Chase Carey à F1” e que está “pronto para trabalhar” com eles. A mudança ocorre em um importante momento para a categoria.

Ecclestone vem sendo criticado nos últimos anos como um dos responsáveis pela queda de interesse na mais importante categoria do automobilismo mundial. Acusado de não querer modernizar a F1 e não se comunicar com os jovens, o chefão de 85 anos chegou a falar que o esporte “não era voltado” para esse público e que não entendia porque tinha que entrar nas redes sociais.

Além disso, Ecclestone foi o responsável por levar os GPs para países onde os direitos humanos não são respeitados, acusado de buscar apenas os “petrodólares” em detrimento do nível esportivo, e em por obstáculos para que os circuitos mais tradicionais permaneçam no calendário – além de dificultar a manutenção de novas escuderias.

Por sua vez, foi sob seu comando que a F1 é considerada um dos maiores sucessos financeiros globais – deixando de ser um esporte “de garagem” para lucrar cerca de US$ 2 bilhões por ano.

Read More...