Hawkeye começa com um olhar para o passado e outro para o futuro com Kate Bishop

Hawkeye começa com um olhar para o passado e outro para o futuro com Kate Bishop

Às vezes, não se levar tão a sério pode ser muito eficaz. Essa é uma frase que me passou pela cabeça várias vezes enquanto assistia aos dois primeiros episódios de Hawkeye, no dia de sua estreia na Disney+. Não é que Hawkeye nunca se leve a sério, sim, ele às vezes o faz. Existem alguns temas interessantes e até mesmo profundos aí, especialmente no desenvolvimento e evolução de personagens que conhecemos há anos, além de alguns novos. Mas Hawkeye, acima de tudo, é uma série divertida.

Em sua essência, a série é uma mistura de ação, muita comédia e aventura que teve um início promissor. Principalmente depois da chegada de um filme que se leva tão a sério que chega a ser excessivo e resulta, em grande parte, no tédio. Sim, quero falar dos Eternos.

Nos dois primeiros episódios a estrela de Hawkeye, que rouba o show, é Kate Bishop, a nova adição ao universo Marvel (MCU) interpretada pela atriz Hailee Steinfeld, que num passado recente vimos também roubar a cena no filme de Bumblebee.

Bishop é carisma na sua forma mais pura, é desajeitada, inocente e ao mesmo tempo ousada, talvez imprudente e um pouco arrogante. É em grande parte uma cópia carbono daquela grande saga em quadrinhos Hawkeye 2012, na qual Clint Barton é o mentor de Kate Bishop. Mas além dessa menção ao material que inspira a série, aqui não estamos falando de quadrinhos.

Hawkeye começa com um olhar para o passado e outro para o futuro com Kate Bishop

A série começa com uma sequência impecável que conecta Kate ao Vingador interpretado pelo ator Jeremy Renner de uma forma inesperada, e até trágica, conectada a outro filme MCU. Desde então, Kate pensa em Hawkeye como uma figura a seguir, mesmo sendo o mais misterioso de todos os Vingadores. Aquele que sempre é discreto. Dos quais menos se sabe (bem, ao lado da Viúva Negra, é claro).

Quando Kate tem problemas por estar no pior lugar possível, no pior momento possível, uma organização criminosa a percebe e começa a caçá-la, e sem a necessidade de spoilers, digamos que Clint seja forçado a ajudá-la…

Kate Bishop rouba a cena nesses dois primeiros episódios

A dinâmica entre os dois personagens é maravilhosa. Devo confessar que Hawkeye é um dos meus personagens favoritos de MCU porque enquanto alguns são arrogantes e chamativos (sem vontade de ofender o bom e velho Tony), outros são heroicos e engraçados (Thor), e outros são inteligentes, fortes e ao mesmo tempo desajeitado (Hulk), Clint Barton tem sido pelo menos desde Vingadores: Era de Ultron, ou talvez até mesmo desde Os Vingadores, definido por uma única característica, humor com seriedade: “Estou farto de tudo.”

E é por isso que acho Clint tão engraçado; até ele mesmo sabe que não faz muito sentido que alguém que “só tem um arco e flechas” esteja lutando ao lado de deuses e seres sobre-humanos (algo que ele disse a Wanda Maximoff em Era de Ultron). Mas aí está o bom e velho Clint, sempre levando muitos golpes e só pensando quando será o dia em que finalmente o deixarão se aposentar, para ir morar no campo, quieto, com sua esposa e filhos, e não ter que ver musicais horríveis e constrangedores baseados nos Vingadores.

No entanto, embora ele tenha claramente tido algum tempo de paz, mais cedo ou mais tarde aquele passado do vigilante Ronin iria alcançá-lo de alguma forma, mesmo que fosse apenas para atormentá-lo e não deixá-lo viver sem olhar por cima do ombro o tempo todo. Mesmo no meio de tanta comédia e aventura, Hawkeye explora as consequências, tanto psicologicamente quanto no mundo ao seu redor, dos atos violentos de Clint.

Hawkeye começa com um olhar para o passado e outro para o futuro com Kate Bishop

Por outro lado temos a Kate, uma garota que nasceu em berço de ouro e que por isso se “sente invencível”, segundo a própria mãe (interpretada pela sempre grande Vera Farmiga). Kate é um pouco arrogante, mas ao mesmo tempo desajeitada e extremamente curiosa, insistente. A dinâmica com Clint é como um pai teimoso e uma filha superenergética. Não é uma fórmula inovadora, mas é uma fórmula que funciona. Especialmente quando os atores o fazem tão bem.

A série se passa no início como uma história de origem de Kate e seus problemas familiares após a morte de seu pai, e a chegada de um novo padrasto que tem o rosto típico que nos diz desde o primeiro momento que o vemos que existe algo de errado, e ele tem algum tipo de plano maligno nas mãos. Pode ser? Kate também resgata um adorável cachorro Golden Retriever que só tem um olho, um cachorro que a acompanha por toda parte nos quadrinhos e parece que ele também estará muito presente na série. Por enquanto, o cachorro é simplesmente conhecido como “Cachorro da Pizza”, mas nos quadrinhos seu nome é “Lucky … o cachorro da pizza”. Uma diferença sutil.

Hawkeye começa com um olhar para o passado e outro para o futuro com Kate Bishop

No entanto, esses dois primeiros episódios não são perfeitos. Os momentos tensos de Kate com sua família e o quão repetitiva a série se sente ao nos lembrar que sim, que essa menina não está feliz com as decisões de sua mãe e desconfia de seu padrasto, torna-se enfadonho, exceto por um momento chave. As coreografias de luta também não são as melhores da Marvel, na verdade talvez as piores ainda, mas vou dar o benefício da dúvida porque Kate é realmente nova e Clint … bem, Clint está farto e cansado e só quer ir assistir a filmes de Natal com sua família.

O passado de Clint como Ronin o assombra

No final do segundo episódio, eles nos dão um vislumbre de um personagem que abre as portas para muitas coisas, incluindo outros personagens do universo Marvel, com os quais tem se conectado nos quadrinhos. Mas acho que falaremos dela outro dia, possivelmente quando os seis episódios que vão compor esta minissérie terminarem de ir ao ar.

Mas não há dúvida de que Hawkeye começou bem, e que promete ter vilões interessantes e conectados ao universo mais terreno e menos mágico ou galáctico da Marvel. Depois dos enfadonhos Eternos, e de Falcão e o Soldado Invernal, Hawkeye traz um pouco de ar diferente para a Marvel que eu acho que precisava.

Quer receber as principais notícias do Dinastia Nerd no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Rafael Nicácio

Rafael Nicácio

Co-fundador e redator do Dinastia, é um dos responsáveis pela administração do site. Conta com a experiência de ter atuado nas assessorias de comunicação do Governo do Estado do Rio Grande do Norte e da Universidade Federal do RN. Trabalha com administração e redação em sites desde 2013 e, atualmente, também administra a página oportaln10.com.br.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.