Dinastia Literária: 6 livros de Terror para ler com o “coração” na mão

Dinastia Literária: 6 livros de Terror para ler com o “coração” na mão

Pensando no nosso público mais aficionado por livros, o Dinastia N inicia uma nova série voltada para o mundo dos contos, crônicas, romances e tudo aquilo que move essa paixão chamada “Ler”: o Dinastia Literária. Através deste primeiro texto feito em parceria, mostramos sugestões de leituras daquele que é um dos mais amados gêneros literários: o Terror!
Por isso peguem suas lanternas, façam suas preces, e cubram bem seus pés…

JOYLAND (2013)

Joyland (2013)

Para mim, um livro bem particular do mestre Stephen King. Triste até certo ponto, poético também e apaixonante. Nesta história o coração partido é a porta de entrada para um mundo de aventuras e mistérios.

Em Joyland, Devin Jones, um jovem de coração partido resolve aceitar um emprego de verão no parque de diversões que carrega o mesmo título do livro. Lá, tropeça em um mistério: a lenda de que uma garota morta no parque ainda assombra as atrações do lugar. Isso o leva a querer desvendar toda a história por trás do crime já que o assassino nunca foi pego.

Primeiro Lugar na lista de mais vendidos do New York Times em sua época, Joyland, com seu terror sutil e certa carga de melancolia é um livro curto, bem escrito e com a alma de seu autor. Certamente uma leitura obrigatória para os amantes da carreira do “Mestre do Terror” contemporâneo

CUJO (1981)

Cujo (1981)

Com uma premissa simples de início onde uma mãe se vê presa no carro com o filho no meio do nada (praticamente), os dois são mantidos no veículo, pois do lado de fora há um São-bernardo louco pela raiva que pretende não deixar que eles saíam vivos dali. Entretanto, como característico de King, ele explora nas tramas secundárias contextos como traição, abuso, casamento, relação familiar, maternidade e paternidade.

Cujo tem um final impactante e que até me deixou melancólico, entrando definitivamente para minha lista de livros preferidos do Mestre e até me fez sentir arrependimento por tê-lo deixado na estante por dois anos até finalmente ler.

O livro ainda recebeu uma adaptação em longa-metragem, no ano de 1983, que apesar da construção simples e do baixo orçamento, se tornou um clássico do terror (que eu particularmente não gostei tanto). Outro fato curioso sobre o livro é que Stephen King não se recorda de tê-lo escrito.

SOMBRAS DA NOITE (1976/1977/1978)

Sombras da Noite (1976-1978)

O livro traz vinte contos escritos dentro de três anos bem no início da carreira literária de King e mostra as várias facetas de sua escrita e genialidade, transitando entre o horror, terror e alguns outros gêneros, entre eles até ficção científica (com direito a referências a H. P. Lovecraft).

Alguns contos acabam se ligando a histórias anteriores dele (por exemplo, ‘Salem‘, anteriormente conhecido como A Hora do Vampiro) e outros influenciaram filmes e séries como o conto As Crianças do Milharal que se tornou o clássico Colheita Maldita (esse dá medo).

Destaque para os contos: Jerusalem’s Lot, Último Turno, Eu Sou o Portal, O Bicho-Papão, Às Vezes Eles Voltam, Primavera Vermelha, Ex Fumantes LTDA e As Crianças Do Milharal.

A ESTRADA DA NOITE (2007)

A Estrada da Noite (2007)

Sob o título original de “Heart-Shaped Box” (A Caixa em Forma de Coração, em Portugal), este é o primeiro romance de Joe Hill. No livro somos apresentados a Judas Coyne, um ex-astro do rock aposentado, que vive uma vida caseira e reclusa, amargurado por suas escolhas passadas, e com o mórbido hábito de colecionar objetos com histórias sobrenaturais.

Quando seu assistente, Danny Wooten, encontra em um leilão virtual um terno alegadamente assombrado por um fantasma, Judas não exita em dar um lance alto para arrematá-lo. Mas o que parecia ser papo de vendedor, se mostra uma verdade aterradora; o fantasma é real, e ele quer a morte de Judas. A partir desse momento a vida do protagonista se torna um Inferno na Terra. Terror, mortes, vingança e segredos do passado convergem em uma trama arraigada de tensão e mistério, onde o leitor acompanha cada passo do protagonista compartilhando seu medo claustrofóbico, a medida que reviravoltas mostram que nem tudo é o que parece.

Ótima leitura para quem quer iniciar-se na obra do filho do mestre King, que herda o talento do pai, mas que ao mesmo tempo cria sua própria identidade narrativa dentro do universo do terror e suspense na literatura, e que tanto amamos.

O PACTO (2010)

O Pacto (2010)

O Pacto (Horns, no título original), é o segundo romance escrito por Hill. Aqui, mais maduro e seguro sobre como desenvolver a psique de seus personagens, Joe Hill nos brinda com uma história que flerta menos com o terror e mais com as relações humanas, e seus desdobramentos (à la King).

Ignatius Perrish é um jovem rapaz que acaba de passar por um enorme trauma; o amor de sua vida, Merrin, foi estuprada e assassinada, e como se não bastasse Ig é o principal suspeito. Um dia qualquer, após uma bebedeira, o protagonista acorda de ressaca e com um par de chifres na testa, que ninguém além dele consegue ver, e o mais incrível é que, após isso, qualquer um diante de Perrish entra em uma espécie de transe e revela seus segredos e pensamentos mais sombrios, e ele agora tem dois caminhos: acreditar que isso seja uma maldição, ou uma dádiva que pode ser usada a seu favor.

O Pacto foi adaptado em filme com o título de “Amaldiçoado” (2013), estrelando Daniel Radcliffe no papel do protagonista; adaptação essa bem aquém de sua contraparte literária, se me permite dizer. Curiosamente, é possível que você só encontre (infelizmente) a última edição do livro com a capa do filme, e o título alterado. A desenvoltura e a criatividade de Hill neste livro mostram que o escritor do Maine, em breve, será um dos maiores nomes do gênero. Leitura mais do que recomendada.

NOSFERATU (2013)

Nosferatu (2013)

Terceiro romance de Joe Hill, NOS4A2 no original, é um sucesso absoluto de público e crítica, e talvez o ápice da (até aqui) curta carreira do jovem escritor norte-americano.

Victoria MacQueen é uma menininha especial. Com sua bicicleta ela consegue atravessar o Atalho, pela ponte do bosque perto de sua casa, e chegar a qualquer lugar do mundo para encontrar coisas perdidas. Um dia, ao procurar por aventura seu caminho se cruza com o de Charlie Manx, e é aí que Vic deseja nunca ter tido tal poder. Manx é um serial killer, que embarcado em seu tenebroso Rolls-Royce transporta criancinhas para a Terra do Natal, com sua neve de açúcar e presentes em profusão, mas de onde elas nunca regressam. Porém, Victoria regressou, Charlie sofreu as consequências, e agora as lembranças atormentam um, enquanto a vingança envenena a mente já enegrecida do outro.

Nosferatu em 2019 foi adaptado para o formato de série de tv, pelo canal AMC, e após duas temporadas foi cancelada, estando disponível também pelo Amazon Prime Video. A série parece não ter feito jus ao seu texto de origem. Independente do fato, Nosferatu é um livro obrigatório para os fãs de thrillers de terror, e que definitivamente coloca Joe Hill no panteão moderno dos escritores de ficção.

…Algo soturno tocou meu coração, e eu sentia medo como nunca antes havia sentido. Eu caminhava sob a sombra da morte e achava que não existia nada mais negro. Mas existia. Existia.” Mas e aí, gostou? O “Dinastia Literária”, estará de volta na próxima semana com mais conteúdo sobre livros e esse multiverso fascinante. Nos siga também em nossas redes sociais para mais conteúdo sobre livros, séries, filmes e tudo que envolve o universo Nerd/Geek.

Por: Antônio Gomes e Augusto “Clark” Miranda

Quer receber as principais notícias do Dinastia Nerd no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Redação do Dinastia N

Redação do Dinastia N

O Dinastia Nerd traz as novidades do mundo Geek/Nerd de forma dinâmica, precisa e com muita interatividade.

4 comentários sobre “Dinastia Literária: 6 livros de Terror para ler com o “coração” na mão

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.