DestaquesEconomia

Criptomoedas no topo de uma revolução no sistema financeiro

Popularização entre usuários e debates sobre regulação fazem com que a criptoeconomia ganhe força no país e no mundo

O ano de 2021 foi marcado pela modernização do Sistema Financeiro Nacional. Com o Pix representando 72% das transações realizadas por meios de pagamento no país, superando os tradicionais TED, DOC e boletos, e o open banking integrando todas as interfaces bancárias, a sociedade brasileira está se adaptando a um cenário cada vez mais digital. Mas, qual será o próximo passo? Para o especialista Rodrigo Soeiro, a resposta é única: a massificação das criptomoedas.

As criptomoedas chegaram aos ouvidos de muito mais pessoas em 2021, estudos apontam um aumento de mais de 400% em volume transacionado. Com a pandemia e, por consequência, a vinda da inflação corroendo o poder de compra global, muitos viram na criptoeconomia um refúgio. Isso fez com que esta ganhasse força. E essa relevância impulsionou os debates sobre sua regulação tanto internacionalmente quanto aqui no Brasil”, pontua Rodrigo, que é fundador da Monnos, primeiro cryptobank do país.

Os recordes de valorização do bitcoin, o advento dos NFTs (non fungible tokens), as finanças descentralizadas (DEFI), os metaversos e outras inovações que a criptoeconomia trará, deixam bem claro a dinâmica desse setor e seu potencial de valor agregado. A volatilidade se dá exatamente pela velocidade em inovar, mas aqueles que estão próximos conseguem participar e se adaptar. O importante é não estar distante”, complementa.

Para Rodrigo, as criptomoedas estão fazendo com que a população comece a se imaginar dentro de um cenário econômico que não teve acesso durante muitos anos. “Falar de criptoativos é falar da democratização do acesso à economia financeira, as pessoas quando investem em cripto começam a se ver como investidoras e repensam as suas formas de lidar com o dinheiro”.

Criptomoedas como meio de pagamento e avanço dos NFTs

Enquanto as criptomoedas se popularizam e os debates de regulação seguem com força, novas funcionalidades surgem, é o caso do Crypto as a Service (Caas).

Como o seu nome sugere, a modalidade de Crypto as a Service se propõe a prover serviços via criptoeconomia para players em geral, podendo ser eles bancos, fintechs, outras exchanges, empresas do varejo etc. Um exemplo aplicado de Caas é a oferta de pagamento da 99 Taxi com cripto. Em pesquisa recente feita pela VISA, identificou-se que 50% das pessoas entrevistadas em países da América Latina gostariam de ter a opção de compra com pagamento em cripto. Ao meu ver, essa demanda aumentará em velocidade espantosa”, explica Rodrigo.

Outra tendência está ocorrendo com os tokens não-fungíveis, mais conhecidos pela sigla em inglês, NFTs, que são ativos cujo valor é subjetivo, como em obras de arte. “2021 trouxe uma nova dinâmica para esse setor, atraindo uma massa de novos consumidores de cripto que nem tinham interesse por criptoativos até o momento. É um novo mercado de colecionáveis que descentraliza ativos, envolvendo tanto arte, música, vídeos, produtos de consumo, uma gama de possibilidades ainda inimagináveis. A concretização de metaversos está se dando muito em função da aceitação dos NFTs, criou-se aí uma economia”.

A disrupção dos NFTs tem sido tão impactante novos nichos estão surgindo, entre eles o mercado de GameFi, também conhecido como Play 2 Earn. Como o nome em inglês sugere, é quando a pessoa joga o game e ganha também. Entre os destaques está o jogo Axie Infinity, onde os jogadores se entretêm e ganham criptomoedas enquanto jogam.

Somente em outubro, o jogo bateu o recorde de usuários diários, chegando na casa de 2 milhões de pessoas. Há cidadãos de países emergentes que estão faturando mais do que o salário mínimo local, em regiões como Indonésia e Vietnã. E essa tendência já se mostra tão real que nomes tradicionais de games como Atari, Nintendo, Electronic Arts, Activision Blizzard (recém adquirida pela Microsoft) e Ubisoft estão se movimentando para não perderem espaço”, complementa o especialista.

Cripto já é a economia por trás dos metaversos

O termo metaverso ganhou os holofotes quando o Facebook anunciou a mudança de nome da sua empresa idealizadora para Meta, numa clara referência ao conceito, que significa o universo que vai além, uma conexão entre o mundo real e o virtual.

Metaverso não consiste em um produto pronto e envelopado, mas um organismo vivo que está em evolução espantosa e que envolve várias iniciativas e tecnologias ao mesmo tempo. Movimentando economicamente tudo isso, temos a criptoeconomia, com destaque para os NFTs”, destaca o especialista.

Apesar de muitos acreditarem que isso ainda irá ocorrer, Rodrigo alerta que já está ocorrendo, empresas como Nike e Adidas já estão posicionadas e comercializando produtos para avatares. Para Rodrigo, os limites de onde os metaversos poderão chegar dependerá dos empreendedores envolvidos e de suas iniciativas. “A oportunidade é gigantesca, estamos falando de um mercado de mais de 1 trilhão de dólares. E muitas possibilidades sequer foram mapeadas”.

Quando idealizamos a Monnos, vimos a criptoeconomia como um caminho para a saúde financeira e, de certa forma, independência para as pessoas, por isso nossa missão é massificar cripto. Buscamos simplificar ao máximo as possibilidades a serem exploradas, facilitando o entendimento e consumo. Nosso público alvo é exatamente aquela pessoa que tem curiosidade, está disposta a testar, não quer ser um especialista, mas também não quer ficar distante”, conclui.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Siga o Portal N10 no Google News para acompanhar nossas notícias. Clique na imagem abaixo!

Rafael Nicácio

Co-fundador dos canais Portal N10, Jerimum Geek e do Tudo em Dicas. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do Rio Grande do Norte) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN). E-mail para contato: rafael@oportaln10.com.br

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Olá pessoal! O acesso ao nosso site é gratuito, porém precisamos da publicidade aqui presente para mantermos o projeto online. Por gentileza, considere desativar o adblock ou adicionar nosso site em sua white-list e recarregue a página.