Covid-19: mais de 20 países já solicitaram 1 bilhão de doses da vacina russa
MOSCOW, RUSSIA - AUGUST 11, 2020: The first vaccine to prevent coronavirus infection is developed by the Gamaleya Federal Research Centre for Epidemiology. Gam-COVID-Vac is a viral vector two-component vaccine based on human adenovirus. Dmitry Kurakin/Health Ministry of the Russian Federation/TASS Ðîññèÿ. Ìîñêâà. Âàêöèíà äëÿ ïðîôèëàêòèêè íîâîé êîðîíàâèðóñíîé èíôåêöèè COVID-19, ðàçðàáîòàííàÿ Íàöèîíàëüíûì èññëåäîâàòåëüñêèì öåíòðîì ýïèäåìèîëîãèè è ìèêðîáèîëîãèè èìåíè àêàäåìèêà Í.Ô. Ãàìàëåè Ìèíçäðàâà Ðîññèè. Ãàì-ÊÎÂÈÄ-Âàê - âåêòîðíàÿ äâóõêîìïîíåíòíàÿ âàêöèíà íà îñíîâå àäåíîâèðóñà ÷åëîâåêà.  ãðàæäàíñêèé îáîðîò ïðåïàðàò ïîñòóïèò 1 ÿíâàðÿ 2021 ãîäà. Äìèòðèé Êóðàêèí/Ïðåññ-ñëóæáà Ìèíçäðàâà Ðîññèè/ÒÀÑÑ

Covid-19: mais de 20 países já solicitaram 1 bilhão de doses da vacina russa

agosto 11, 2020 0 Por Rafael Nicácio

O Fundo Russo de Investimento Direto recebeu pedidos de mais de vinte países para a compra de 1 bilhão de doses da vacina russa contra o coronavírus, disse o chefe da entidade, Kirill Dmitriev, citado pela agência TASS.

No momento não se sabe quais países fizeram os pedidos, embora Dmitriev enfatize que a Rússia concordou em produzir sua vacina contra o coronavírus em cinco países e que espera receber aprovação para a produção do medicamento em vários estados latino-americanos até novembro.

O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou nesta terça-feira, 11 de agosto, que seu país registrou a primeira vacina contra o coronavírus do mundo. O presidente especificou que a vacinação da população deve ser feita exclusivamente de forma voluntária, acrescentando que espera que a produção em massa do medicamento comece em breve.

Vacina

Criada artificialmente, sem nenhum elemento do coronavírus em sua composição, a vacina é apresentada na forma liofilizada, na forma de pó que se mistura a um produto para dissolvê-la e depois administrá-la por via intravenosa.

Um total de 76 voluntários participaram dos ensaios clínicos da vacina, que tiveram como objetivo avaliar sua segurança e efeitos no organismo. Os médicos consideraram a investigação um sucesso e concluíram que a vacina é segura: ao final do processo “todos os voluntários estavam imunizados”.

Yelena Smolyarchuk, diretora do Centro de Pesquisa Clínica de Medicamentos da Universidade Séchenov, disse que a proteção máxima é alcançada três semanas após a vacina, quando a resposta do sistema imunológico é desencadeada.