Portal N10

Como funcionam os testes de segurança em veículos comercializados no Brasil?

Segurança em veículos

Antes de chegarem às concessionárias, os automóveis passam por um processo rígido de planejamento, definição e desenvolvimento.

A homologação faz parte desse processo e é necessária para que o carro possa ser comercializado de forma regular no país.

Dentre os aspectos considerados para que o carro esteja apto a rodar, estão alguns como o nível de emissão de ruídos e poluentes, que não pode exceder o limite determinado pelo IBAMA, tendo em vista a redução e controle da contaminação atmosférica, e a segurança veicular ativa ou passiva, realizada pelo DENATRAN.

Essa segurança diz respeito a dois recursos tecnológicos que, juntos, se complementam e têm a finalidade de manter os ocupantes de qualquer veículo seguros.

Há a segurança ativa e a passiva. O primeiro aspecto compreende itens que são inseridos no veículo com o propósito de evitar possíveis acidentes, tais como a buzina, os retrovisores, tração, freio ABS etc.

Já a segurança passiva trata-se de equipamentos inseridos com o intuito de minimizar os danos de um acidente, tais como airbag e cinto de segurança.

O teste de segurança apresenta aspectos relacionados ao veículo que podem lhe fazer repensar ou afirmar a compra. Tudo depende da avaliação que cada quesito do veículo recebe ao passar por uma análise específica.

Como funcionam os testes de segurança no Brasil

A avaliação em segurança é feita a partir do número de estrelas atribuídas à capacidade do veículo em manter os ocupantes, adultos e crianças, seguros.

Essa nota advém de um método de ensaio reconhecido internacionalmente e realizado pela Latin NCAP, programa independente de avaliações sobre os níveis de proteção de veículos existentes no mercado.

São avaliados três quesitos mais relevantes, sendo 0 a nota que indica falta total de segurança no quesito analisado e 5 o máximo de proteção oferecida pelo veículo.

As qualificações de segurança são baseadas na avaliação de proteção dos ocupantes adultos, dos ocupantes crianças e da segurança ativa ou primária – itens de segurança do veículo.

Testes de impacto frontal

O carro é submetido a testes de impacto frontal a 64km/h e lateral a 50km/h, em uma simulação que pretende reproduzir os tipos de colisões mais frequentes em acidentes graves ou mortais.

A velocidade exercida para o teste é representada por uma colisão entre veículos que trafeguem em torno de 55km/h.

Essa reprodução é feita a partir da colisão do veículo com um bloco imóvel deformável. Dentro do carro, são colocados car crash dummies, bonecos que representam os seres humanos, adultos e as crianças.

Na parte dianteira, são utilizados dois dummies representando homens de tamanho médio no banco do motorista e no banco do carona. Na parte traseira, na cadeirinha de retenção infantil no banco traseiro, dois dummies representando crianças de 18 meses e três anos.

Esse teste é realizado com o objetivo de simular um impacto frontal entre os veículos, já que a maioria das colisões envolve a parte da frente dos carros.

Teste de impacto lateral

Os impactos laterais também compreendem um índice alto de acidentes com lesões graves e fatais.

Nesse caso, a avaliação de segurança é feita mantendo o veículo em posição linear e impulsionando a 50km/h uma barreira deformável sobre um carrinho, que sofrerá impacto com o veículo em teste.

A quantidade e características dos dummies seguem os mesmos padrões das utilizadas para a realização do teste de impacto frontal, tanto com relação aos bonecos que representam os adultos como aos que representam as crianças.

Teste de impacto lateral de poste

Recentemente considerado para a verificação de segurança, o teste de impacto lateral de poste consiste em medir o nível de proteção, lançando, pela lateral em direção ao veículo, a 29km/h, um mastro rígido e estreito.

Nesse teste, o dummie utilizado tem tamanho médio e está localizado no assento do motorista, representando uma pessoa adulta.

A proteção infantil é avaliada nos testes de colisão frontal e lateral e vinculada ao comportamento dinâmico do Sistema de Retenção Infantil (SRI) e à capacidade do veículo de instalar o dispositivo de forma que bebês e crianças estejam seguros em um acidente.

Segurança ativa ou primária

A avaliação dos equipamentos de segurança primária ou ativa é baseada em três aspectos fundamentais para a garantia de boa qualidade.

Controle Eletrônico de Estabilidade (ESC)

Esse sistema é avaliado por meio de testes, como manobra evasiva com dupla mudança de pista e manobra em que o veículo muda de pista em dois momentos.

É avaliada, nesse caso, a habilidade de deslocamento lateral do veículo, estabilidade e capacidade de fazer um traçado linear.

Lembrete do Uso do Cinto (SBR)

A probabilidade do motorista e demais ocupantes do veículo utilizarem os cintos de segurança aumenta consideravelmente se houver, no carro, um indicativo com o lembrete.

Atualmente, esse item ainda é dispensável na parte traseira dos veículos, mas, de acordo com a regulamentação universal das Nações Unidas, futuramente, o lembrete não constará apenas na parte dianteira dos automóveis.

Sistema Antibloqueio de Freios (ABS)

O sistema ABS evita o bloqueio instantâneo das rodas no caso de frenagem. O sistema acompanha o movimento das rodas frente uma frenagem. Assim que uma se bloqueia, o freio ABS libera pressão de forma que a roda possa voltar a girar.

Atualmente, apenas duas montadoras realizam testes de segurança no país. As demais enviam os veículos produzidos a associações independentes, como a Latin NCAP.

Todos os testes, apesar de não haver um padrão entre eles, permitem identificar em quais itens o veículo precisa de reforço ou adequação de modo a garantir mais segurança e menos danos aos ocupantes no caso de haver um acidente.

A ideia é que, a partir das avaliações, os fabricantes possam melhorar aspectos de qualidade dos veículos, visando à proteção dos seus ocupantes.

Basicamente, por meio da performance obtida e dos resultados observados, é calculada a nota geral do veículo.

O que você achou desse artigo? Deixe seu comentário!

You might also like

Leave A Reply

Your email address will not be published.