Como a Covid-19 afeta no longo prazo: o que se sabe até agora

Como a Covid-19 afeta no longo prazo: o que se sabe até agora

novembro 2, 2020 0 Por Rafael Nicácio

Como a pandemia de coronavírus continua a assolar o planeta, mais pesquisas parecem focadas nos efeitos de longo prazo que a COVID-19 pode ter nas pessoas recuperadas. Sintomas como fadiga, falta de ar, ‘névoa cerebral’ e outros continuam a aparecer em novos estudos de acompanhamento de ex-pacientes infectados com SARS-CoV-2.

Um estudo internacional pré-impresso, publicado recentemente no portal medRxiv, analisou dados de 4.182 casos da doença. Do total, 13,3% deles relataram sintomas como fadiga, dor de cabeça, dispneia e anosmia que duraram mais de 2 semanas após o adoecimento; 4,5% por mais de 8 semanas e 2,3% por mais de 12 semanas . Os autores associaram uma maior incidência deste ‘covid prolongado’ a fatores como idade avançada, índice de massa corporal ou sexo feminino.

Outra investigação de cientistas americanos que analisou a condição de um grupo de 233 pacientes com coronavírus que não foram hospitalizados constatou que 24,1% deles ainda apresentavam sintomas após 90 dias, enquanto 43,4% os experimentaram por mais de 30 dias. Esses sintomas de longo prazo incluem anosmia (perda do olfato), ageusia (perda do paladar), dificuldade de concentração, dispneia (dificuldade para respirar), perda de memória, confusão, dor de cabeça, palpitações, dor no peito, dor ao respirar profundamente, tontura e taquicardia.

“Além disso, descobrimos que as pessoas que tiveram um sintoma inicial de dispneia têm uma probabilidade significativamente maior de desenvolver sintomas de longo prazo”, observaram os autores. O estudo também foi publicado no portal medRxiv, que oferece versões pré-impressas de artigos científicos que ainda não foram revisados ​​por pares (por outros cientistas).

Não apenas em pacientes graves

Idosos representam quase 70% dos óbitos por Covid-19 no RN

Outra pesquisa analisou pessoas que não precisaram ser internadas no hospital devido a formas leves de COVID-19 e que também apresentaram sintomas da doença em longo prazo. Alguns deles até têm que ficar na cama por causa do cansaço que sentem meses após a infecção ou disseram que se cansam com tarefas simples.

Por outro lado, são frequentes os relatos de casos como o da inglesa Joanne Rogers, 51, que, após longa recuperação, continua sentindo ansiedade, extrema fadiga e dores musculares oito meses depois. Além disso, vários sobreviventes de covid-19 relataram que lutaram contra uma ‘névoa mental’ muito depois de se recuperarem. O cineasta australiano Mirabai Nicholson-McKellar ainda sofre consequências como a dificuldade de pensar, mesmo sete meses após a alta .

“Os problemas apresentados pelos sintomas pós-Covid e suas consequências exigem mais pesquisas para encontrar possíveis soluções com as quais se tente prevenir ou minimizar o impacto negativo da doença”, concluem os cientistas.