doadorlegal

(ANSA) – Um doador de sangue australiano já salvou a vida de mais de 2 milhões de bebês. Por causa de uma condição rara, James Harrison, de 78 anos, ajudou a encontrar uma solução para uma doença que, há poucas décadas, não tinha cura e fazia com que mulheres abortassem e crianças nascessem com danos cerebrais.

Contada pela emissora “CNN” às vésperas do Dia Mundial do Doador de Sangue, em 14 de junho, a história do “homem do braço de ouro”, como também é chamado Harrison, começou quando ele fez uma operação para a retirada de um pulmão aos 14 anos e precisou fazer uma transfusão de sangue de 13 litros.

Quando soube que tinha sobrevivido graças às doações, o australiano decidiu retribuir. Desde então, ele tem ido quase todas as semanas ao hospital para doar.

No entanto, não é apenas a frequência que torna Harrison tão importante para a medicina. Ele tem em seu sangue um anticorpo raríssimo que foi usado com sucesso para desenvolver uma vacina para ajudar mães com a doença Eritroblastose Fetal, ou Rhesus.

Nesta patologia, o corpo de mulheres que têm sangue com Rh negativo e estão esperando um filho com Rh positivo criam anticorpos para acabar com a ameaça do tipo sanguíneo distinto, destruindo as células do feto. Geralmente, isso acontece na segunda ou na terceira gravidez.

Com a vacina Anti-D, feita a partir do sangue de Harisson, o organismo feminino não cria mais os anticorpos e, assim, não apresenta mais riscos para o bebê.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.