Economia

Com juros subindo, é possível baratear dívidas? Veja 6 dicas do Banco Bari

Em junho, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) anunciou nova elevação na taxa básica de juros, a Selic, que passou a 4,25% ao ano. A nova elevação foi necessária para tentar conter a aceleração da inflação, que, no acumulado dos últimos 12 meses (junho de 2020 a maio de 2021), ultrapassa 8%.

Para quem irá contratar alguma modalidade de empréstimo, é bom ficar atento. A elevação da Selic traz como consequência o aumento das taxas de juros da maior parte dos empréstimos e financiamentos. “Como o mercado estima que os juros vão continuar subindo até que a inflação seja controlada, é necessário prestar atenção a modalidades de empréstimo e financiamento que ofereçam taxas mais em conta”, explica Evaldo Perussolo, CFO do Banco Bari.

Veja 6 dicas de Evaldo que vão te ajudar a deixar empréstimos e financiamentos sob controle:

É verdade que existe dívida ruim e dívida boa? Sim, é verdade. A primeira coisa que você deve analisar ao pegar um empréstimo bancário é a finalidade. Se o empréstimo for contraído para abrir ou ampliar um negócio, comprar um bem que realmente constituirá patrimônio, como um imóvel, ou ainda trocar uma dívida mais cara por outra mais barata, é uma dívida boa. Outro exemplo é pegar um empréstimo para reformar a casa e oferecer mais conforto para a família. Mas o empréstimo que for contraído para adquirir itens e/ou realizar gastos supérfluos ou que se deterioram com o tempo, sem agregar nenhum valor ao patrimônio, é uma dívida pouco saudável, que poderá não trazer nenhum benefício real a sua vida, e gerar dor de cabeça no futuro;

O segundo ponto é ficar de olho na taxa de juros paga ao banco. A pior delas é a do cheque especial, uma linha de crédito automática que muita gente nem percebe que está pagando. Desde 2019, o Banco Central estabeleceu que o juro máximo cobrado no cheque especial é de 8% ao mês. Achou pouco? Com os juros compostos (juros sobre juros), o resultado é 151,82% ao ano. Uma dívida de R$ 10 mil se transformará em R$ 25,5 mil em apenas 12 meses;

Outro ponto de atenção são as dívidas do rotativo do cartão de crédito, uma linha de crédito automática oferecida para quem não consegue pagar a fatura ou paga apenas parte dela. Desde 2017, quem tem cartão de crédito pode pegar este tipo de empréstimo apenas uma vez por mês. A partir daí, o banco é obrigado a oferecer o parcelamento da dívida, com juros menores. Mas a conta pode ficar salgada do mesmo jeito. Em estatística divulgada pelo Banco Central (período de 28 de maio a 4 de junho), a taxa de juros por esta modalidade pode chegar a 850% ao ano!

E por que as taxas de juros variam tanto de banco para banco e, muitas vezes, conforme o histórico do tomador? Além da evolução da taxa básica de juros e dos juros de mercado negociados entre os bancos, um fator tem grande peso na definição dessa taxa: o risco de inadimplência, ou seja, de o tomador do empréstimo não pagá-lo. Por isso, pessoas com pontuação alta em sistemas de avaliação de risco (credit scoring), via de regra, conseguem empréstimos com taxas menores do que os que têm pontuação baixa.;

Mas há como reduzir essa taxa? Sim, há. Algumas modalidades de crédito permitem que o tomador deixe um bem em garantia do pagamento do empréstimo. Um exemplo é o tradicional penhor de joias da Caixa Econômica Federal, modalidade na qual uma joia fica como garantia e só é restituída se o empréstimo for pago. Outro exemplo é o crédito consignado, oferecido a servidores públicos, aposentados e trabalhadores com carteira assinada. Como o desconto é feito diretamente na folha de pagamento, o risco de inadimplência é baixo e o banco oferece juros menores. Nos exemplos citados, no entanto, os valores de empréstimo são bastante limitados;

Há outras opções? Sim. Uma delas é uma modalidade nova de financiamento, conhecida como Crédito com Garantia de Imóvel (CGI). Nesta modalidade, também conhecida como home equity, o banco oferece o empréstimo e utiliza um imóvel do tomador como garantia. O benefício é que os valores do crédito são elevados, conforme o valor do imóvel, e as taxas de juros são bem menores. Ou seja, via de regra, são empréstimos com taxa de juros mais baixas quando comparadas a outras modalidades de crédito (cheque especial, cartão de crédito, etc), e ainda contam com prazo maior para pagamento do empréstimo. Esses dois fatores possibilitam que a parcela mensal seja menor e se enquadrem mais facilmente na renda mensal do cliente. Em alguns bancos, como o Bari, as taxas podem partir de 0,70% a.m. Em alguns bancos, há outras vantagens nesse tipo de empréstimo, como a flexibilidade de tomar novos empréstimos dentro de um limite previamente fixado.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Rafael Nicácio

Co-fundador dos canais Portal N10, Jerimum Geek e do Tudo em Dicas. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do Rio Grande do Norte) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN). E-mail para contato: rafael@oportaln10.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo