Atendimento infantil na clinica escola de Fonoaudiologia.
Foto: Anastácia Vaz

Diga flauta”, pede o estudante. Numa sintonia tão próxima das melodias que ecoam pelo instrumento, Caio, de 12 anos, canta: “Falauta”, com uma voz rouca, mas cheia de convicção. A rotina faz parte das sessões fonoaudiológicas destinadas a crianças que têm dificuldade em se expressar correta e foneticamente como esperado para a idade. Os atendimentos às crianças com dificuldades de linguagem realizado pela Clínica Escola de Fonoaudiologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) são apenas um dos ofertados à comunidade.

Localizada no Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), a Clínica faz parte do projeto pedagógico do curso de Fonoaudiologia da Instituição. Desde 2012, ano de sua inauguração, foram realizados inúmeros atendimentos diários, oferecendo à população uma oportunidade de acesso a serviços fonoaudiológicos, além de atuar como um espaço “onde os estudantes do curso podem realizar seus estágios”, explica Ana Manhani, professora da UFRN e coordenadora da Clínica.

É exatamente lá que a teoria, tão estudada em sala de aula durante a graduação, toma vida por meio dos atendimentos práticos vinculados aos estágios realizados pelos estudantes nos diversos projetos desenvolvidos na clínica. Os principais, atualmente, envolvem o monitoramento da audição com crianças desde cedo na infância, assim como o acompanhamento de “adultos e idosos que possuam algum problema de audição e que procurem a clínica para fazer os exames”, pontua Manhani.

É possível, também, a realização de testes por parte de pessoas com alguma perda auditiva e que seja comprovada, por meio dos procedimentos, a necessidade do uso de prótese, demanda que é encaminhada para o Sistema Único de Saúde (SUS).

Os atendimentos são realizados com base na procura dos pacientes após encaminhamento. “Alguns serviços da cidade nos encaminham pacientes e, de acordo com a agenda que temos, são realizados os atendimentos”, explica a professora. A Clínica, apesar de receber as demandas da rede pública, não é inserida no SUS. A solicitação para novos pacientes é feita por meio do encaminhamento de algum médico vinculado aos hospitais e clínicas públicas ao HUOL.

Serviço:

Clínica de Fonoaudiologia da UFRN

Contato: (84) 3324-9757

Outros tratamentos

Alunas do Curso de Fonoaudiologia UFRN

Professores, estudantes e funcionários do Departamento de Fonoaudiologia compõem a equipe que coordena a Clínica e os projetos desenvolvidos nela. Um que merece destaque é a terapia vocal ofertada a mulheres transsexuais e transgêneros.

A extensão se intitula Programa de Assistência Vocal e Comunicativa para Indivíduos Transexuais e é coordenada pela professora Juliana Godoy, também do Departamento de Fonoaudiologia.

Atuando desde 2017, a terapia é destinada a mulheres trans que não se identificam com sua voz e que queiram realizar a transição vocal. As interessadas podem entrar em contato por meio do email (godoy.juliana@gmail.com), manifestando o desejo de participar do projeto, que é ofertado gratuitamente.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.