Ciro, Doria, Huck? Que nada: nas redes sociais, só dá Bolsonaro e Lula

Ciro, Doria, Huck? Que nada: nas redes sociais, só dá Bolsonaro e Lula

Ciro, Doria, Huck? Que nada: nas redes sociais, só dá Bolsonaro e Lula

Rafael Nicácio julho 15, 2021 Destaques

Um terço dos eleitores diz não querer Bolsonaro nem Lula em 2022. Se somados, nomes como João Doria, Ciro Gomes ou Luciano Huck – por exemplo, poderiam ter intenções de votos suficientes para ir ao segundo turno. Mas, na prática, a fragmentada “terceira via” ainda faz pouco ou nenhum barulho em um dos principais termômetros da democracia moderna: as redes sociais.

Monitoramento da consultoria de análise de dados Bites obtido pela EXAME mostra que a liderança absoluta que Bolsonaro e Lula apresentam nas pesquisas se reflete também na internet.

Nem mesmo a primeira tentativa de união do grupo mais ao centro foi capaz de mudar o cenário. Na carta em defesa da democracia, que uniu seis presidenciáveis em 31 de março, o movimento de repercussão nas redes pode ser considerado quase irrelevante, diz André Eler, diretor adjunto da Bites e que acompanhou em todas as últimas eleições as movimentações de comportamento nas redes.

“Ainda que juntando seis candidatos, a carta foi um fracasso nas redes sociais”, diz. “Não chegaram a fazer cócegas na liderança de Bolsonaro ou Lula. É muito pouco o que esses nomes oferecem de repercussão.”

Na métrica batizada de “Tração”, criada pela Bites para medir a capacidade de repercussão e interações nas redes sociais, nenhum dos possíveis presidenciáveis da “terceira via” consegue ultrapassar de forma consistente o valor de 1 ou mesmo de 0,5 no índice.

Enquanto isso, Bolsonaro tem caído, mas ainda figura muito à frente dos demais, acima de 5 ou 6. Já Lula voltou a fazer barulho nas redes após ficar novamente elegível no começo de março, quando chegou a 5 em tração pela métrica da Bites e empatou com Bolsonaro. Foi a primeira vez que um possível candidato rivalizou com o presidente em repercussão nas redes desde o começo do mandato.

Desde esse pico, a tração do petista passou a novo patamar, e figura frequentemente por volta de 1 ou 2, bastante atrás de Bolsonaro, mas se firmando à frente do restante dos concorrentes.

nas redes sociais só dá Bolsonaro e Lula
Arte: Exame

O comportamento das redes, embora restrito a fatias específicas da população, pode dar mostras das tendências no campo eleitoral. É o que aconteceu com Bolsonaro em 2018, quando o presidente dominou as redes muito antes de dominar as pesquisas.

Na última pesquisa de intenção de votos EXAME/IDEIA, divulgada na sexta-feira, 23, Lula e Bolsonaro têm cerca de 30% dos votos cada. Atrás deles, aparecem uma infinidade de nomes em possíveis cenários de primeiro turno. Nesse pelotão, há pequena liderança para Ciro Gomes (PDT), Luciano Huck (sem partido), João Doria (PSDB) e Sergio Moro (sem partido), todos com menos de 10% dos votos cada.

A principal dúvida para 2022 é se os eleitores se aglutinariam em torno de um único candidato de centro ou centro-direita caso alianças fossem formadas. A pouca repercussão nas conversas online mostra que, entre ter intenções de votos somados e conseguir de fato angariar essa mesma quantidade sozinho, há um abismo.

A “ameaça Lula” ficou menor?

Enquanto o centro patina, as movimentações nas últimas semanas mostram como o ex-presidente Lula consolidou sua posição na internet e se descolou do pelotão de centro. E, desta vez, com sinais de que a rejeição a seu nome pode ser menor.

No passado, a polarização com o PT sempre funcionou bem para Bolsonaro nas redes. Em 2018, quando Lula ou o então candidato do PT, Fernando Haddad, começavam a crescer, Bolsonaro subia em tração diante da possibilidade de volta dos petistas ao poder, segundo as análises da Bites na ocasião.

Neste mês, esse movimento não ocorreu. A capacidade de Lula de movimentar as redes dobrou desde a decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, que o tornou novamente elegível. A alta foi de mais de 90% de interações por post (mesmo com os perfis do ex-presidente tendo também feito mais posts desde então). No total, o número de interações subiu mais de 200%, segundo o monitoramento da Bites.

No mesmo período, de cerca de 45 dias, Bolsonaro caiu por volta de 25% em interações por post.

“Por muito tempo, Lula perdeu relevância e ficou aquém da capacidade de mover as redes que o Bolsonaro tem. Isso ainda se verifica na prática, a gente vê que Bolsonaro ainda é o protagonista. Mas especificamente na semana da decisão do Fachin, Lula conseguiu empatar, e agora voltou ao radar”, diz Eler.

O “empate” digital entre Lula e Bolsonaro na semana em que o ex-presidente voltou ao jogo eleitoral não aconteceu só pela alta do petista, mas também pela queda de Bolsonaro, uma vez que a tração do presidente está menor do que no começo do mandato. “Quando Lula deixou a prisão [em 2019], por exemplo, teve um patamar até mais alto do que desta vez. Mas, naquela época, Bolsonaro tinha uma capacidade de repercussão muito maior, então era muito mais difícil alcançá-lo”, diz o diretor da Bites.

Bolsonaro, por exemplo, vem perdendo seguidores no Instagram de forma mais consistente desde meados de abril, algo que só havia acontecido momentaneamente durante a saída de Sergio Moro do governo – naquela ocasião, seu número de seguidores foi recuperado já no dia seguinte.

Popularidade em baixa

Os movimentos das redes sociais vão em linha com as pesquisas de opinião acerca do trabalho do presidente. Dados da última sondagem EXAME/IDEIA nesta semana mostram que o governo de Bolsonaro chegou a seu recorde de desaprovação, em 54%. O presidente também aparece pela primeira vez empatado ou perdendo na margem de erro para Lula no primeiro e no segundo turnos em 2022.

O petista foi o que mais cresceu nas pesquisas, indo de 18% no primeiro turno em meados de março a 30% nesta semana. Bolsonaro se mantém estável, caindo ligeiramente de 33% para 30% das intenções de voto no período.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial.

Outros artigos