Celebração pagã ou tradição cristã? Esta é a verdadeira origem do Natal

A origem da data é essa, mas será que Jesus realmente nasceu no período de fim de ano?

O dia 25 de dezembro é uma das datas mais esperadas no mundo, especialmente em países do ocidente. O Natal é um dia que traz algo diferente para todos: trocas de presentes, comida deliciosa, confraternização em família, pousadas com amigos, músicas pegajosas, mais comida deliciosa… Seja você uma pessoa religiosa ou não, parece que o Natal é apreciado da mesma maneira por todos.

Mas você nunca se perguntou por que comemoramos o dia 25 de dezembro? É por causa do nascimento de Jesus ou é o encobrimento de uma comemoração pagã?

Vamos colocar o primeiro fato sobre a mesa: não há registro de quando Jesus de Nazaré realmente nasceu. O escritor e teólogo Jeffrey Small explicou em um artigo publicado originalmente no Huffington Post que o Novo Testamento não oferece nenhuma data específica. Small mencionou que passaram a marcar 25 de dezembro como o dia em que Jesus nasceu, no início do século IV, quando o cristianismo tornou-se a religião oficial do Império Romano – período em que o imperador Constantino adotou essa religião.

Acredita-se que os antigos romanos tomaram essa data porque, no dia 25, comemoraram o solstício de inverno. Este fenômeno astronômico caracteriza-se por ser o dia com o período mais curto de luz solar e a maior noite do ano. Após o solstício, os dias se alongam. Portanto, esse evento tem um significado simbólico do triunfo da luz sobre a escuridão, o renascimento do sol. O que coincidiu com a crença cristã da chegada do messias.

Nas cidades nórdicas, este festival era conhecido como Yule, e ainda é comemorado pelos praticantes do paganismo, embora isso geralmente seja realizado em 21 de dezembro. É interessante comparar a forma como a mesma data tem um histórico semelhante em diferentes práticas de fé.

Continuando com o simbolismo, há uma teoria de que a escolha do dia 25 de dezembro está relacionada ao movimento das estrelas, como já foi revelado pela Enciclopédia Britânica. O equinócio da primavera é considerado o nascimento do mundo. E, supondo que a concepção de Jesus coincidiu com essa data (25 de março), seu nascimento seria apenas nove meses depois: ou seja, em 25 de dezembro.

Então, o Natal é um evento pagão disfarçado? Não necessariamente. Embora esse dia tenha significados mais antigos do que o cristianismo, essa religião o carregou com suas próprias tradições. Então, ambas as celebrações podem coexistir, e na verdade elas fazem isso.

Se retirarmos o conceito religioso do Natal, celebramos o triunfo da luz sobre a escuridão. Quando você vê isso dessa maneira, não importa quais são as crenças religiosas (ou não religiosas) que você tem. O Natal pode ser um lembrete de que nenhum mal é para sempre e um simbolismo de nascimento para novas coisas.

E essas são boas lições para qualquer sociedade, você não acha?

você pode gostar também

Deixe um comentário

error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!