Brasil, Notícias

Brasil registra maior número de homicídios em 2016

Que o Brasil é um dos país mais violentos do mundo todos já sabem. O que muitos não sabem são os números que foram registrados por mortes brutais no ano passado no país. De acordo com o Anuário Brasileiro da Segurança Pública, foram contabilizadas 61,6 mil mortes em 2016. Os números registrados, foram divulgados nesta segunda-feira (30), e neles estão os latrocínios, homicídios e lesões seguidas de morte. Tudo isso representa um crescimento de 3,8% em comparação com 2015, sendo o maior na história.

O mais assustador é que para chegar a esse número todo, os dados registrados se baseiam nos sete assassinatos que acontecem por hora. Para cada 100 mil habitantes, são 29,9% de taxa de homicídios no Brasil. A maior parte delas está concentrada em Sergipe com 64 casos para cada grupo de 100 mil, o que representa, no total, 1,4 mil mortes em 2016, um crescimento maior em relação a 2015.

O Rio de Janeiro ficou em segundo lugar com o crescimento na quantidade de casos. Foram 37,6 homicídios para cada 100 mil habitantes no estado. O Amapá não ficou para trás, o estado teve uma elevação de 250 casos em 2015 para 388 em 2016, uma alta de 52,1%. Em seguida o número de mortes violentas cresceu no Rio Grande do Norte, contabilizando 1,9 mil casos.

Esses, são dados gerais de toda a população. Porém, um registro baseado na legislação nacional que determinou que assassinatos cometidos contra mulheres em razão de gênero se tornassem agravante do homicídio, contabilizou uma grande quantidade assassinatos de mulheres. 4,6 mil casos só este ano, representando uma média de um assassinato a cada duas horas. Os estupros totalizaram 49,5 mil ocorrências, um crescimento de 3,5% em comparação com 2015.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.