Saúde

Rio Grande do Norte chega ao número de 188 casos suspeitos de microcefalia

A Secretaria de Estado da Saúde Pública divulgou o mais recente boletim epidemiológico de microcefalia no Rio Grande do Norte. Até a semana epidemiológica nº 02, terminada em 16/01/2016, a Sesap registrou um total de 188 casos suspeitos de microcefalia relacionada ao Zika vírus, sendo três casos de intra-útero e 181 nascidos vivos, 2 nascimortos e 2 abortos. Até o momento ocorreram 16 óbitos.

Entre os casos notificados, 61 foram confirmados (53 por exame de imagem com alteração típica de infecção e quatro pelo isolamento do vírus zika e 4 óbitos pelo exame PCR) e 14 descartados para microcefalia relacionada à infecção congênita. Os casos notificados estão distribuídos em 49 municípios do RN.

Leia tambémSaiba o que é Microcefalia, o que causa e como identificar

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (SESAP), através da Coordenadoria de Promoção à Saúde (CPS) recebeu recentemente a confirmação da associação entre o Zika vírus com a microcefalia e outras malformações. Um exame realizado pelo Centro de Prevenção e Controle (CDC) dos Estados Unidos confirmou a hipótese em quatro casos.

Os quatro casos são relativos a dois abortos e dois recém-nascidos falecidos com poucas horas de vida. Todos os casos foram positivos para Zika vírus usando PCR, e as amostras do cérebro dos dois recém-nascidos submetidas à análise imunohistoquímica foram positivas. Ambos apresentavam microcefalia e outras malformações.

De acordo com a investigação clínico-epidemiológica feita pela UFRN, todas as gestantes apresentaram febre e exantema (manchas vermelhas) durante a gestação. Em relação aos casos de aborto, as amostras foram testadas para toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus, herpes vírus e dengue, todas com resultados negativos.

Read More...

Concurso Público

Prefeitura de Natal convoca 180 professores e 86 educadores infantis

A Prefeitura de Natal vai publicar na edição desta quinta-feira (21), do Diário Oficial do Município (DOM), a convocação de 180 professores e 86 educadores infantis aprovados no último concurso público realizado, para nomeação em caráter efetivo, e cujo resultado final foi homologado no DOM do dia 30 de julho de 2015 (confira AQUI).

Os novos professores e educadores infantis irão exercer suas funções na rede municipal de ensino, resultado do surgimento de vagas provenientes de aposentadorias (125) e exonerações (52) e que no momento, estão sendo ocupadas por professores temporários.

Estão sendo convocados 148 professores de Pedagogia, 17 de Português, 04 de Matemática, 05 de Ensino Religioso, 03 de Geografia, 01 de Libras, 01 Intérprete de Libras, 01 de Inglês, além de 86 Educadores Infantis, totalizando 266 profissionais de educação.

Além de suprir essa substituição com aposentadorias e exonerações, a convocação de Educadores Infantis, visa suprir a necessidade dos Centros Municipais de Educação Infantil, que foram criados e ampliados nos anos de 2014 e 2015, cujas vagas, estão sendo preenchidas por professores temporários do processo seletivo.

Os candidatos nomeados terão um prazo máximo de 30 dias corridos, a partir da data de publicação no Diário Oficial do Município, para tomar posse no cargo comparecendo à Secretaria Municipal de Educação, localizada na Rua Fabrício Pedroza, 915 – Novotel Ladeira do Sol – Areia Preta, no 4º piso, na sala 410, das 8 às 14 horas, exceto às sextas-feiras, quando o atendimento ao público acontece até às 12 horas, para receberem instruções sobre a documentação necessária para a nomeação.

Read More...

Economia

Energia Eólica pode gerar 35 mil novos empregos no RN até 2019

O Rio Grande do Norte inicia o ano de 2016 com progressos no setor eólico. Segundo dados do departamento de pesquisas do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia (CERNE), o RN segue na liderança nacional, com 181 parques eólicos, sendo 87 em operação, 29 em construção e 65 contratados.

Os números positivos refletem os avanços que o setor tem alcançado nos últimos anos e que situam o Estado como um dos mais promissores em produção eólica do Brasil.

O estado segue na liderança nacional do segmento, com a maior proporção do país de energia eólica na matriz elétrica e existe uma expectativa de geração de 35 mil novos postos de trabalho até 2019.

Em dez anos, os investimentos em geração eólica impulsionaram o Rio Grande do Norte a sair da condição de importador para tornar-se exportador de energia.

Graças aos ventos regulares que sopram em quase todo o território potiguar, os municípios que abriram as portas para a instalação de parques eólicos viram sua realidade se transformar drasticamente e passaram a ocupar posições mais altas do ranking estadual de arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). A atividade econômica gerada pela indústria eólica foi a que mais cresceu no Estado. A cidade de Parazinho, que detém a maior potência eólica instalada do Brasil, conta com 304 aerogeradores, em 21 usinas em funcionamento, com capacidade para gerar 604 MW de energia (capacidade instalada). Entre 2012 e 2014, o município pulou do 80º lugar para a 36ª colocação no ranking estadual de ICMS. E para o próximo período, a previsão é que a arrecadação seja ainda maior.

Somente nos últimos cinco anos, o setor movimentou entre R$ 3 bi e R$ 4 bilhões em compras diretas e receita local para a instalação de novos parques. Considerando-se o total de investimentos diretos com equipamentos, materiais, serviços e mão de obra durante o período, o valor ultrapassa os R$ 10 bilhões.

Atualmente, o RN tem a maior capacidade instalada de energia gerada por parques eólicos e, por consequência, a maior quantidade de turbinas eólicas em atividade. Somando-se todos os empreendimentos já em funcionamento, são aproximadamente 2,4 GW de energia produzida. Este montante coloca o estado como detentor da maior matriz eólica em operação no Brasil.

Read More...

RN

Devido crise econômica e seca, carnaval de Macau/RN é cancelado

Considerado o maior carnaval do Rio Grande do Norte, o tradicional carnaval de Macau está oficialmente cancelado. A prefeitura da cidade já havia anunciado semanas atrás que não investiria recursos públicos na contratação de bandas para o evento. A folia aconteceria com o apoio da iniciativa privada. Entretanto, a participação dos empresários também foi suspensa. Com isso, a prefeitura anunciou que a festa não será realizada este ano.

O tradicional “mela-mela” e festas pagas seriam realizados por empresários da cidade, mas foram suspensas. O cancelamento, por parte da prefeitura, aconteceu por causa de uma recomendação do Ministério Público do estado (MPRN) diante da crise financeira e a seca histórica que atinge o estado. Macau é um dos 153 municípios em estado de calamidade por causa da estiagem.

Macau não é a única cidade potiguar a cancelar os festejos de momo. A prefeitura de Mossoró também cancelou o carnaval alegando que seria uma “medida de enfrentamento à crise“. Já a prefeitura de Upanema, trocou os festejos de carnaval por iluminação pública e açudes na zona rural

Read More...

Saúde

Laboratório da UFRN monitora sorotipos dos vírus dengue e Zika no Rio Grande do Norte

O laboratório de Biologia Molecular de Doenças Infecciosas e do Câncer (Ladic) do Centro de Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (CB/UFRN) realiza o monitoramento dos sorotipos dos vírus dengue e Zika circulantes no Estado, com vistas a fortalecer a investigação dos casos clássicos e graves e compreender a ação desses vírus no estado. Além disso, pesquisa também o vírus chikungunya.

De acordo com o coordenador do laboratório, o professor Josélio Araújo, do Departamento de Microbiologia e Parasitologia, essa pesquisa permite identificar os municípios e localidades mais afetados por esses vírus e as informações são repassadas às Secretarias de Saúde para auxiliar as ações de controle, a exemplo das ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, contribuindo para a redução do número de casos da doença no RN.

“Após a identificação, sequenciamos o genoma (conjunto de todos os genes de uma espécie de ser vivo) desses vírus com o objetivo de realizar estudos filogenéticos e evolutivos para saber, por exemplo, sua origem”, completa o professor.

De acordo com Josélio Araújo, a equipe realiza ações educativas em áreas afetadas ou não pela dengue, Zika e chikungunya, como comunidades, conselhos comunitários e escolas, objetivando a sensibilização e a mobilização social no controle e prevenção dessas doenças.

“Dentro do laboratório coordeno a linha de pesquisa intitulada Biologia de Arbovírus e Desenvolvimento Tecnológico em Virologia. Essa linha de pesquisa tem o objetivo de realizar pesquisa, desenvolvimento tecnológico, inovação e formação de recursos humanos, estudando aspectos virológicos, epidemiológicos, filogenéticos e evolutivos de Arbovírus, com ênfase nos vírus dengue, Zika e chikungunya”, destaca Josélio.
As pesquisas são realizadas em conjunto com o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Natal, tento também parcerias com Secretarias de Saúde, Fiocruz/RJ, Fiocruz/BA, Fiocruz/PE e colaboradores de instituições internacionais.

Criação do “Sinal Alerta”

Todas as pesquisas ainda estão em andamento, mas já é possível ver alguns resultados. “Além do monitoramento desses vírus em humanos, iniciamos um projeto de monitoramento dos vírus dengue, Zika e chikungunya em Mosquitos Aedes aegypti. A perspectiva é desenvolver um modelo onde, uma vez identificado o vírus no vetor, se acenda o “sinal de alerta” para que as Secretarias de Saúde e a comunidade possam intensificar as ações de combate”, diz o professor Josélio.

Atualmente a equipe do Ladic é composta por 12 pessoas: professor José Veríssimo, professor Josélio Araújo, Kleber Farias (Pós-Doc), Arlinete Medeiros (Doutoranda), João Paulo Silva (Doutorando), Joelma Monteiro (Mestranda), João Ciro Fagundes (Mestrando), Brenda Alves (Biomédica), Ana Alice de Aquino (Biomédica), Leandro Gurgel (Biólogo), Marília Melo (Iniciação Científica) e Yasmin Nascimento (Iniciação Científica).
Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus. Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre Chikungunya está no acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.
De acordo com o último boletim da Dengue divulgado pela Prefeitura de Natal, na capital não ocorreram casos confirmados da doença. Dados sobre os demais municípios não foram divulgados.

Em casos de suspeita de Dengue grave ou óbito suspeito ou confirmado, ligue para o CIEVS/ Natal. Disque notifica: 0800-285-9435 ou 3232 9435.

Read More...