Ciência

Antigo texto egípcio diz que Jesus tinha o poder de mudar sua aparência

texto-egípcio
Foto: Reprodução

Um antigo texto egípcio, datado de 1200 anos atrás e encontrado recentemente, narra parte da vida e da crucificação de Jesus e também traz informações que mudam consideravelmente a história conhecida.

Há pelo menos duas cópias do texto, escrito na linguagem copta (do povo egípcio do período helenístico e do período sob dominação romana): um na Biblioteca e Museu Morgan em Nova York e outro no Museu da Universidade da Pensilvânia (ambos nos EUA). Boa parte da tradução foi feita a partir da cópia que se encontra em Nova York, mais conservada.

O texto, escrito em língua copta, descreve Pôncio Pilatos como um discípulo fiel e não como um traidor – ele narra uma cena ocorrida antes da crucificação de Jesus, na qual Pilatos oferece seu próprio filho para ser sacrificado no lugar do Messias.

“Sem maior tumulto, Pilatos preparou a mesa e comeu com Jesus no quinto dia da semana. E Jesus abençoou Pilatos e toda a sua casa (…) [depois, Pilatos disse a Jesus] bem, observe, a noite chegou, levante-se e bata em retirada, e quando a manhã chegar e eles me acusarem por sua causa, eu devo dar a eles o único filho que tenho para que eles possam matá-lo em seu lugar”. De acordo com o texto, Jesus teria agradecido a Pilatos por sua boa vontade, mas recusado a oferta e mostrado que, se desejasse, poderia escapar de outras formas, desaparecendo em seguida.

Ele também explica por que Judas teve que beijar Jesus para identificá-lo aos romanos: de acordo com o texto, Jesus era capaz de mudar sua aparência. Além disso, ele afirma que Jesus foi preso em uma terça-feira, e não em uma quinta, como se acredita atualmente.

O tradutor dos textos lembra que, na Igreja Copta e em igrejas da Etiópia, Pilatos é considerado um santo, e isso explicaria o retrato mais amigável que ele recebeu nesse e em outros textos.

“Então os judeus disseram a Judas: como o prenderemos se ele não tem uma forma única, mas sua aparência muda? Algumas vezes é negro, outras é branco, outras é vermelho, algumas vezes tem a cor do trigo, algumas vezes é amarelo… algumas vezes é jovem, outras vezes é um homem velho…”.

Embora muitos leitores possam ter achado a ideia curiosa, ela é ainda mais antiga do que o texto egípcio. “Essa explicação do beijo de Judas foi encontrada primeiro em Orígenes [um teólogo que viveu de 185 a 254]”, explica o pesquisador. Na obra Contra Celsum, Orígenes escreveu que “para aqueles que o viam, [Jesus] não aparecia da mesma forma para todos”.

O tradutor dos textos, o professor Roelof van den Broek, da Universidade Utretcht, na Holanda, afirma que os fatos não ocorreram necessariamente como são descritos, mas é possível que sejam relatos coletados do que as pessoas na época pensavam sobre Jesus e sua vida.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!). Fale conosco!

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.