Brasil

92% dos cadeirantes brasileiros já passaram por alguma dificuldade no trabalho, revela pesquisa

Antes mesmo de concluir a entrevista em uma loja de departamentos, Sandra Campos, 41 anos, percebeu que o emprego não seria seu. O motivo? O local não oferecia o mínimo de acessibilidade para ela que é cadeirante. “O banheiro não era adaptado e a área para acessar o refeitório tinha uma escada”, lamentou Sandra. No Brasil, de acordo com uma pesquisa recente feita pela Toyota Mobility Foundation, 92% das pessoas que utilizam cadeira de rodas passam ou já passaram por algum problema na vida profissional por conta do uso do equipamento.

A pesquisa ouviu 575 pessoas com deficiência motora – que fazem uso de cadeira de rodas ou outros dispositivos de mobilidade – no Brasil, Estados Unidos, Índia, Reino Unido e Japão. Os brasileiros reclamaram principalmente da necessidade de reduzir a diária por conta da dificuldade de deslocamento até o trabalho e da limitação das funções em que eles poderiam trabalhar.

O último censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2010, estimou que 45,6 milhões de brasileiros, correspondendo a 23,9% da população, possui algum tipo de deficiência. Ou seja, se analisada por esse aspecto, a pesquisa realizada pela pesquisa Toyota Mobility Foundation mostra uma pequena porcentagem, indicando que o problema pode ser maior.

Para Ryan Klem, Diretor de Programas para a Toyota Mobility Foundation, “milhões de pessoas em todo o mundo são incapazes de trabalhar ou de ser tão produtivas devido aos seus atuais dispositivos de mobilidade. Há claras implicações sociais e econômicas que destacam a necessidade urgente de inovação no campo da tecnologia assistiva”, disse em nota.

Hoje vivendo com o auxílio do Benefício de Prestação Continuada (BPC), Sandra se encontrou na arte. Começou com o teatro, já fez trapézio, dança e agora está se aventurando no canto. “Me sinto muito feliz, cada dia eu descubro que posso fazer arte. Espero conseguir viver da arte”, conclui Sandra.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.