Home Notícias Saúde Você comeria uma placenta? Adeptos da “placentofagia” dizem que ela ajuda a aumentar a energia, afastar a depressão pós-natal e produzir melhor leite materno

Você comeria uma placenta? Adeptos da “placentofagia” dizem que ela ajuda a aumentar a energia, afastar a depressão pós-natal e produzir melhor leite materno

Você comeria uma placenta? Adeptos da “placentofagia” dizem que ela ajuda a aumentar a energia, afastar a depressão pós-natal e produzir melhor leite materno
Foto: Reprodução/Daily Mail
0

Tendências de saúde vêm e vão, mas uma moda pós-parto está ganhando terreno nos Estados Unidos entre algumas novas mães que exaltam os benefícios de comer suas próprias placentas. Convencidas de que ajuda a aumentar a energia, a produção de leite saudável e afastar a depressão pós-natal, a prática está em alta entre as mães.

O fenômeno, chamado ‘placentofagia’, implica comer a placenta rica em ferro, sob qualquer forma: líquido, sólido ou embalado em uma pílula. O sangue presente no órgão esponjoso fornece o feto com nutrientes, oxigênio e hormônios através do cordão umbilical durante o período de gestação de 40 semanas. Algumas parteiras promovem suas virtudes nutritivas para as mães também. “A placenta ajuda a restaurar o seu corpo com vitaminas, minerais e hormônios”, disse a parteira Claudia Booker disse à AFP.

Por US$ 270, Booker, de 65 anos de idade, processa e prepara o órgão vascular em cápsulas com duração de várias semanas. O processo de transformar placenta em pílulas é, talvez, mais familiar aos cozinheiros do que os cientistas: ela limpa e pressiona o sangue dele em vapor antes de colocá-lo em um desidratador durante a noite.

Placenta em pílula. Foto: Reprodução/Daily Mail
Placenta em pílula. Foto: Reprodução/Daily Mail

Não existem estudos científicos sobre o número de novas mães participando na prática e alguns dos seus efeitos, mas isso não impediu que a tendência tomasse posse, em alguns círculos, inclusive entre os Vips. A tendência criou até mesmo livros de receitas e um exército dedicado de testadores de receita em blogs de mamães que escrevem sobre lasanhas de placenta, tacos ou trufas de chocolate.

Acredita-se que o consumo da placenta possa aliviar a fadiga e ansiedade no período pós-nascimento tumultuado. Mas os pesquisadores estão apenas começando a realizar estudos abrangentes sobre a prática, que surgiu pela primeira vez nos Estados Unidos na década de 1970, de acordo com Daniel Benyshek, um antropólogo de medicina na Universidade de Nevada.

Os americanos acreditam que estão entre os primeiros a comer a própria placenta, embora a placenta seca tenha sido muito utilizada na medicina chinesa, valorizada pelos curandeiros por suas qualidades curativas. Outros têm examinado o efeito em mamíferos, a maioria dos quais comem placenta. O psicólogo Mark Kristal da Universidade de Buffalo descobriram que os ratos sentem menos dor no período pós-parto, se comer sua placenta.

 As informações são do Daily Mail.

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!