Home Notícias Ciência Vitamina A2 pode desenvolver visão noturna em humanos, afirmam pesquisadores

Vitamina A2 pode desenvolver visão noturna em humanos, afirmam pesquisadores

Publicidade

Vitamina A2 pode desenvolver visão noturna em humanos, afirmam pesquisadores
0
Publicidade

A visão noturna é privilégio de alguns animais, entretanto, um grupo de pesquisadores defende que é possível seres humanos desenvolverem a capacidade da visão noturna. Para isso, Jeffrey Tibbetts e Gabriel Licina estudaram uma nova dieta, que poderia desenvolver nossa habilidade em enxergar a luz infravermelha, algo que os seres humanos naturalmente não podem fazer, salvo o uso de equipamentos.

Após uma pesquisa sobre experimentos anteriores sobre a visão noturna, que datam de 1930, a dupla decidiu fazer o teste por conta própria, sendo as próprias cobaias. Eles conseguiram um financiamento online para a pesquisa no valor de US$ 1 mil e, ao longo de 25 dias, se submeteram a uma dieta que substituía o consumo normal de vitamina A (vegetais) por vitamina A2 (fígado de peixe), uma versão da vitamina A que os os seres humanos não consomem no dia a dia.

Visão noturna. Foto: Divulgação
Visão noturna. Foto: Divulgação

De acordo com relatos ainda da Segunda Guerra, alguns soldados norte-americanos já aderiam a esta dieta para melhorar a visão noturna. A dupla de investigadores resolveu recriar este experimento usando novas tecnologias. Depois de seguir uma dieta restrita e para ter certeza de que os seus olhos estavam realmente percebendo a luz infravermelha, os pesquisadores criaram um eletrorretinograma (ERG) – teste utilizado para avaliar o estado da retina e doenças oculares em humanos e amimais.

Os pesquisadores modificaram o ERG de forma que disparasse luz em comprimentos de onda infravermelha acima dos 730 nanômetros (as faixas visíveis de luz aos humanos são de 400 a 730). O sistema não é perfeito, pois “há um sangramento” entre os diferentes comprimentos de onda, como Tibbetts admitiu, mas os gráficos que a equipe publicou on-line mostraram que os seus olhos estavam respondendo à luz nos comprimentos de onda infravermelhos logo abaixo do espectro visível, em torno de 950 nanômetros.

Apesar do sucesso do experimento, a comunidade científica não recebeu bem os resultados por conta dos métodos utilizados. Entre os argumentos, está a falta de dados que possibilitam a repetição da experiência. Alguns pesquisadores também alertam para o tipo de dieta adotada, já que a deficiência de vitamina A no organismo pode causar graves danos à visão, como cegueira, e, até mesmo, levar à morte. Contudo, os pesquisadores envolvidos na pesquisa defendem o desenvolvimento da ciência de maneira mais livre, sem estar atrelada a métodos rigorosos.

Via History Channel

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!