Home Notícias Brasil RN Universitários desenvolvem produtos a base de pescado

Universitários desenvolvem produtos a base de pescado

Publicidade

Universitários desenvolvem produtos a base de pescado
Foto: Passos Jr
0
Publicidade

Estudantes do curso de Engenharia de Pesca da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) desenvolvem produtos a base de pescado. Os experimentos acontecem dentro da disciplina Tecnologia do Pescado II, ministrada pelo professor Alex Augusto Gonçalves, com a turma do sétimo período. A ideia é inovação de produtos a base de pescado. Nesse semestre, por exemplo, os estudantes estão testando três novos produtos: o pastel de tapioca com tilápia, o nuggets de polvo e, a massa de pizza a base de peixe.

Nesta sexta-feira, 29, a comunidade acadêmica foi convidada a participar da terceira etapa do trabalho dos estudantes de pesca com a análise sensorial do pastel de tapioca com tilápia, quando é avaliada a cor, odor, sabor, textura e suculência do produto. Os 50 voluntários, a maioria estudantes, degustaram o pastel respondendo um questionário. Na próxima sexta-feira, dia 06 de maio, será a vez do nuggets de polvo e a pizza de peixe. O experimento acontece no Laboratório de Tecnologia e Controle de Qualidade do Pescado, o LAPESC, localizado no campus Oeste da Ufersa Mossoró.

A participação dos degustadores, afirma o estudante de Engenharia de Pesca, Geferson Mário Rebouças de Santos, é uma forma de mensurar a aceitabilidade do novo produto. Antes da degustação, o pastel de tapioca de tilápia passou por teste preliminares para ajuste da formulação. “É a parte que as pessoas vão opinar sobre a aceitação ou não do produto, afirmando se gostaram, não gostaram ou se gostaram moderadamente”, afirmou Geferson Santos. Os degustadores também opinam sobre a intensão de compra: se comprariam, provavelmente comprariam ou não comprariam.

Tanyla Santos é mestranda em Ciência Animal, na área de tecnologia do pescado e monitora o trabalho dos estudantes de graduação. “Queremos agregar valor ao pescado com produtos inovadores que não estão no mercado”, opinou. Tanila adiantou que o trabalho acontece de forma acadêmica, carecendo de uma avaliação nutricional, e viabilidade econômica para a produção industrial.

“Eu sempre deixo a sequência do produto, como estudo de vida de prateleira, análise nutricional, e estudo de viabilidade econômica para os alunos trabalharem após a conclusão da disciplina, inclusive com a ideia de patente ou propriedade industrial da formulação”, adiantou o professor Alex Gonçalves. Segundo ele, no Laboratório de Pesca da Ufersa já foram desenvolvidos cerca de 30 produtos, sendo beneficiamento do pescado é um dos tripés do curso de Engenharia de Pesca. Alex Augusto adiantou que pretende reunir os produtos num livro a ser publicado pela editora da Universidade, a Edufersa.

Com informações da UFERSA

Publicidade

Rafael Nicácio Editor e repórter do Portal N10. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do RN) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN).
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!