Home Notícias Saúde Saúde confirma 1.113 casos de microcefalia no país

Saúde confirma 1.113 casos de microcefalia no país

Saúde confirma 1.113 casos de microcefalia no país
Foto: Agência Brasil
0

Até o dia 9 de abril, foram confirmados 1.113 casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivos de infecção congênita, em todo o país. Ao todo, foram notificados 7.015 casos suspeitos desde o início das investigações, em outubro de 2015, sendo que 2.066 foram descartados. Outros 3.836 estão em fase de investigação. As informações são do novo boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, divulgado nesta terça-feira (12), que reúne as informações repassadas pelas secretarias estaduais de saúde.

Do total de casos confirmados, 189 tiveram confirmação laboratorial para o vírus Zika. No entanto, o Ministério da Saúde ressalta que esse dado não representa, adequadamente, a totalidade do número de casos relacionados ao vírus. Ou seja, a pasta considera que houve infecção pelo Zika na maior parte das mães que tiveram bebês com diagnóstico final de microcefalia.

Os 1.113 casos confirmados ocorreram em 416 municípios, localizados em 22 unidades da federação: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Sul. Já os 2.066 casos foram descartados por apresentarem exames normais, ou apresentarem microcefalias e/ou alterações no sistema nervoso central por causas não infecciosas.

No mesmo período, foram registrados 235 óbitos suspeitos de microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central após o parto ou durante a gestação (abortamento ou natimorto). Destes, 50 foram confirmados para microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central. Outros 155 continuam em investigação e 30 foram descartados.

Cabe esclarecer que o Ministério da Saúde está investigando todos os casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso central, informados pelos estados, e a possível relação com o vírus Zika e outras infecções congênitas. A microcefalia pode ter como causa, diversos agentes infecciosos além do Zika, como Sífilis, Toxoplasmose, Outros Agentes Infecciosos, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes Viral.

O Ministério da Saúde orienta as gestantes adotarem medidas que possam reduzir a presença do mosquito Aedes aegypti, com a eliminação de criadouros, e proteger-se da exposição de mosquitos, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes permitidos para gestantes.

Distribuição dos casos notificados de microcefalia por UF, até 9 de abril de 2016

Regiões e Unidades Federadas

Casos  de Microcefalia e/ou malformações, sugestivos de infecção congênita

Total acumulado1de casos notificados de 2015 a 2016

Em investigação

Confirmados2,3

Descartados4

Brasil

3.836

1.113

2.066

7.015

Alagoas

74

55

136

265

Bahia

667

203

144

1.014

Ceará

254

80

117

451

Maranhão

112

84

42

238

Paraíba

388

105

364

857

Pernambuco

873

312

664

1.849

Piauí

25

72

57

154

Rio Grande do Norte

295

85

34a

414

Sergipe

159

31

17

207

Região Nordeste

2.847

1.027

1.575

5.449

Espírito santo

96

6

19

121

Minas Gerais

31

2

46

79

Rio de Janeiro

281

35

78

394

São Paulo

163a

0

96

259

Região Sudeste

571

43

239

853

Acre

23

0b

12

35

Amapá

2c

3c

0c

5c

Amazonas

9

2

2

13

Pará

23

1

0

24

Rondônia

4

3

5

12

Roraima*6

16c

0c

0c

16c

Tocantins

117

0

17

134

Região Norte

194

9

36

239

Distrito Federal

2

4

31

37

Goiás

75

9

37

121

Mato grosso

116

15

71

202

Mato Grosso do Sul

3

2

13

18

Região Centro-Oeste

196

30

152

378

Paraná

6

2

25

33

Santa Catarina

1

0

3

4

Rio Grande do Sul

21

2

36

59

Região Sul

28

4

64

96

 

Com informações do Ministério da Saúde

Rafael Nicácio Editor e repórter do Portal N10. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do RN) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN).
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!