Home Notícias Brasil RN Rio Grande do Norte tem 409 casos suspeitos de microcefalia

Rio Grande do Norte tem 409 casos suspeitos de microcefalia

Rio Grande do Norte tem 409 casos suspeitos de microcefalia
Foto: Agência Brasil
0

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), por meio do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS), divulgou o novo boletim com as informações atualizadas sobre a situação epidemiológica da microcefalia e outras malformações no Rio Grande do Norte.

Foram notificados 409 casos suspeitos de microcefalia relacionados às infecções congênitas. Desses, 311 são de nascimentos ocorridos em 2015, 86 são de nascimentos ocorridos até a semana epidemiológica nº 13, encerrada em 02/04 (três foram de 2014 e os demais foram abortos e pré-natal). Os casos notificados estão distribuídos em 80 municípios do estado.

Do total, 291 estão sob investigação, 83 foram confirmados e 35 foram descartados (descartados por apresentar exames normais, por apresentar microcefalia e/ou malformações congênitas por causas não infecciosas ou por não se enquadrar nas definições de casos).

Dos casos notificados, 3,7% evoluíram para óbito após o parto ou durante a gestação (abortamento espontâneo ou natimorto), o que corresponde a 15 óbitos, sendo 9 confirmados e 6 ainda em investigação. Dos 9 óbitos confirmados, cinco apresentaram resultado de exame de imagem com presença de alterações típicas indicativas de infecção congênita, e quatro foram confirmados por critério clínico-laboratorial com identificação do vírus Zika.

O Ministério da Saúde orienta as gestantes a adotar medidas que possam reduzir a presença do mosquito Aedes aegypti, com a eliminação de criadouros, e proteger-se da exposição de mosquitos, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes permitidos para gestantes.

Rafael Nicácio Editor e repórter do Portal N10. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do RN) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN).
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!