Home Notícias Brasil RN Natal Relatório divulgado nesta quinta (12) revela qualidade da água em Natal

Relatório divulgado nesta quinta (12) revela qualidade da água em Natal

Publicidade

Relatório divulgado nesta quinta (12) revela qualidade da água em Natal
Foto: Divulgação
0
Publicidade

O relatório quadrimestral do Programa Nacional de Vigilância da Qualidade da Água para o Consumo Humano (Vigiagua), divulgado pelo Departamento de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (DVS-SMS), revelou que das 191 amostras de água coletadas entre janeiro e abril no município, 41,88% apresentaram presença de cloro residual livre fora do padrão. A análise se estendeu também para os parâmetros de coliformes totais, nitrato, turbidez, cor aparente, Ph e coliformes termotolerantes.

O chefe da Vigilância em Saúde Ambiental e do Trabalhador (Visamt), Marcílio Xavier, disse que o programa realiza a vigilância constante da água oferecida à população de Natal e todos os estabelecimentos onde foram coletadas as amostras fora do padrão são notificados para sanarem as irregularidades. “Um dos resultados práticos é que a quantidade de locais com problemas de nitrato, como, por exemplo, no bairro do Pajuçara, diminuiu bastante nos últimos anos. E assim é com os outros parâmetros analisados”.

De acordo com o relatório, divulgado nesta quinta-feira (12), das 191 amostras analisadas, 17,63% estavam fora do padrão no parâmetro coliformes totais, onde o limite é a ausência total. Já para o índice de nitrato, 6,34% das análises totais estavam em desconformidade com o padrão, que é no máximo 10 mg/L.

Sobre o cloro, ele explicou que a substância é um desinfetante bacteriológico adicionado na água para evitar a proliferação de microrganismos, mas que em quantidades acima do padrão, compromete a qualidade desta. E que o bairro de Ponta Negra apresentou os maiores índices fora do padrão dos parâmetros de cloro residual livre e coliformes totais.

“Por coincidência, Ponta Negra se mostrou ter uma alta incidência de doenças diarreicas. Uma hipótese é que a ausência ou os baixos níveis de cloro residual livre possam acarretar a proliferação de microrganismos, daí a presença de coliformes e o adoecimento da população”.

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!