Home Notícias Ciência Pesquisadores desenvolvem dispositivo para tratar infecções usando Wi-fi

Pesquisadores desenvolvem dispositivo para tratar infecções usando Wi-fi

Pesquisadores desenvolvem dispositivo para tratar infecções usando Wi-fi
0

Pesquisadores norte-americanos desenvolveram um método para ativar implantes eletrônicos no corpo de pacientes para eliminar infecções bacterianas usando um sinal de rede sem fios. Quando acionado pela tecnologia remota, o gadget fornece calor ao tecido infectado. As informações são do Daily Mail.

A tecnologia foi desenvolvida por pesquisadores da Universidade Tufts, em Massachusetts e da Universidade de Illinois. Durante os testes, os ratinhos receberam implantes eletrônicos que, quando um sinal foi enviado, a região foi aquecida para tratar o tecido que foi infectado por estafilococos, que pode causar abcessos na pele ou infecções menores no sangue. Os tecidos colhidos dos ratinhos 24 horas após o tratamento não apresentavam qualquer sinal de infecção, enquanto o dispositivo foi dissolvido em 15 dias, mostrando que não só pode tratar infecções, mas também podem ser facilmente eliminados.

O dispositivo de aquecimento nos implantes (ilustrado) tem uma resistência e poder de bobina de recepção feita de magnésio, e o magnésio está envolvido na 'pacote' de seda, mantendo-o seguro e controlar o seu tempo de dissolução. Foto: Reprodução/Universidade Tufts
O dispositivo de aquecimento nos implantes (ilustrado) tem uma resistência e poder de bobina de recepção feita de magnésio, e o magnésio está envolvido na ‘pacote’ de seda, mantendo-o seguro e controlar o seu tempo de dissolução. Foto: Reprodução/Universidade Tufts

A pesquisa, que também eliminou a bactéria E. coli, foi publicada na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências. Cada dispositivo, feito de seda e magnésio, foi inofensivamente dissolvido em animais após os testes. O dispositivo de aquecimento nos implantes tem uma resistência e poder de bobina de recepção feita de magnésio, e o magnésio está envolvido no ‘pacote’ de seda, mantendo-o seguro e controlando o seu tempo de dissolução.

A capacidade do dispositivo para dissolver é importante, uma vez que significa que tais implantes não precisam ser removidos. Dispositivos médicos implantáveis ​​normalmente usam materiais não degradáveis ​​que têm limitado períodos de exploração e, eventualmente, devem ser removidos ou substituídos. Mas estes novos dispositivos de terapia sem fios podem encaminhar o processo cirúrgico, e pode, em seguida, dissolve-se em minutos ou semanas, dependendo o tempo necessário.

“Esta demonstração é um passo importante para o desenvolvimento de dispositivos médicos sob demanda que pode ser ativado remotamente para executar uma função terapêutica em um paciente e depois desaparecem com segurança após a sua utilização, sem necessidade de recuperação”, disse o autor sênior Fiorenzo Omenetto, professor de engenharia biomédica na Tufts Escola de Engenharia. “Essas estratégias sem fios pode ajudar a gerenciar infecção pós-cirúrgica, por exemplo, ou pavimentar o caminho para uma eventual entrega de medicamentos utilizando o Wi-Fi”.

Após a demonstração em ratos de laboratório, o próximo passo deve ser testes em humanos, ainda sem data definida para acontecer.

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!