Home Cultura Para professora, relançamento da obra de Hitler pode impulsionar extrema direita

Para professora, relançamento da obra de Hitler pode impulsionar extrema direita

Para professora, relançamento da obra de Hitler pode impulsionar extrema direita
Foto: Divulgação
0

O Instituto de História Contemporânea de Munique (IFZ, na sigla em alemão) lançou na Alemanha na última sexta-feira (8), pela primeira vez desde o fim da Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945), o livro Mein Kampf (A minha luta, em tradução livre), um manifesto de Adolf Hitler. O objetivo do relançamento do livro, cujos direitos passaram a ser recentemente de domínio público, é contextualizar a obra e desmistificar declarações do ex-líder alemão.

Para a professora do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Adriana Dias, a reedição da publicação, no entanto, acontece em um momento delicado para a Europa, em que se registra o crescimento de movimentos de extrema direita e de aumento de casos de xenofobia e racismo, principalmente contra imigrantes e refugiados.

“A Europa vive um cenário de crise econômica e atentados, o que cria um caldeirão na narrativa social muito parecido com o das décadas de 1920 e 1930. O cenário não é bom, o livro é uma Caixa de Pandora, que abre todas as portas de ódio, com mentiras, que infelizmente são compráveis em tempos de opressão social e econômica”, avalia a pesquisadora.

Indagada sobre a possível repercussão do livro no Brasil, a antropóloga, que pesquisa há mais de 15 anos sobre os grupos nazistas na internet e também fora dela, disse acreditar que o movimento de extrema direita deve se intensificar também no país. “No Brasil, mais de 200 mil pessoas já leem livros e materiais neonazistas e com a ascensão da direita isso tende a piorar.”

Para ela, os simpatizantes brasileiros do neonazismo (que estão espalhados pelo país, mas concentrados majoritariamente nos estados do Sul e do Sudeste), são muito influenciados pelas ações dos seus pares na Europa. “O movimento no Brasil é extremista, se apoia muito no modelo americano e europeu, e como característica singular desenvolveu um ódio extremo ao nordestino”. Além disso, segundo ela, é comum estarem envolvidos em ataques homofóbicos, contra negros e judeus.

Com informações da Agência Brasil

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!