Home Notícias Política Para Jaques Wagner, “saída do PMDB chega em boa hora para repactuar governo”

Para Jaques Wagner, “saída do PMDB chega em boa hora para repactuar governo”

Para Jaques Wagner, “saída do PMDB chega em boa hora para repactuar governo”
Foto: José Cruz/ Agência Brasil
0

O ministro-chefe do Gabinete Pessoal da Presidência da República, Jaques Wagner, disse nesta terça (29) que o Palácio do Planalto recebeu com naturalidade a notícia do rompimento do PMDB com o governo. Para o ministro, o anúncio chega em “boa hora” e abre a oportunidade de “repactuar” o governo com outras forças políticas. Segundo ele, ao mesmo tempo em que perde um “parceiro importante”, a presidenta Dilma Rousseff já promove conversas no sentido de abrir espaço para novos aliados.

“O governo recebe com naturalidade a decisão interna do PMDB, agradece todo esse tempo de colaboração que tivemos ao longo desses cinco anos e meses com o governo da presidenta Dilma”, disse Jaques Wagner.

Nesta terça-feira, o Diretório Nacional do PMDB decidiu deixar a base aliada do governo da presidenta Dilma Rousseff e anunciou que os ministros do partido deverão deixar os cargos. Na segunda (28), Henrique Eduardo Alves, que ocupava uma das sete pastas do partido no governo, deixou o comando do Ministério do Turismo.

Jaques Wagner informou que a presidenta terá uma reunião com o núcleo duro do seu governo, da qual poderá participar o ex-presidente da República e indicado para chefiar a Casa Civil, Luiz Inácio Lula da Silva, e que até sexta-feira (1º) deve haver novidades sobre o que chamou de repactuação.

Segundo Wagner, a agenda do governo nesta nova fase será conquistar votos para conseguir barrar o processo de impeachment que tramita no Congresso Nacional contra Dilma, classificado por ele de golpe. “Impeachment sem causa é golpe”, disse. Sobre quais ministros da legenda devem permanecer no governo, Jaques Wagner disse que não sabe ainda, e que a presidenta não conversou com ele após a decisão do PMDB.

“Depende dos ministros e depende da presidenta. Ela está analisando a decisão. O que para nós interessa é que se abriu espaço para uma repactuação do governo. Alguns já falam até internamente em uma nova fase do governo, em que sai um aliado de longa data, [e] mantêm-se outros aliados. Acho que foi bom que [o PMDB] tomasse [a decisão] antes da votação [do processo de impeachment] porque dá oportunidade para a presidenta Dilma repactuar o governo, não apenas para a votação que aproxima, mas repactuar seus dois anos e nove meses que lhe restam”, afirmou.

Agenda positiva

O ministro disse estar “confiante” de que essa será uma oportunidade para uma “boa caminhada” de Dilma, e citou alguns eventos que vão constar na agenda do governo para superar a crise, como o lançamento da terceira etapa do Programa Minha Casa, Minha Vida, uma “pauta extremamente positiva” para a indústria e a construção civil.

De acordo com ele, a presidenta também poderá receber representantes de artistas e intelectuais que têm programado manifestações contrárias aoimpeachment para os próximos dias. “Hoje há um grande ponto de unidade de segmentos cada dia mais numerosos no Brasil, que é luta pela democracia e a manutenção do nosso roteiro de constitucionalidade. Na nossa opinião, esta é a bandeira maior: a luta pela democracia”, afirmou.

Na semana passada, a presidenta Dilma recebeu dezenas de juristas no Palácio do Planalto, e fez um dos seus discursos mais inflamados, classificando oprocesso de impeachment de golpe e dizendo que jamais renunciará.

Agência Brasil 

Rafael Nicácio Editor e repórter do Portal N10. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do RN) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN).
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!