Pais de Charlie encerram batalha legal para salvar bebê

'Não há mais tempo' para testar uma terapia experimental

(ANSA) – Os pais do pequeno Charlie Gard, 11 meses, Chris Gard e Connie Yates retiraram a ação na Alta Corte do Reino Unido para tentar salvar a vida do menino que sofre de uma doença rara, encerrando assim a batalha legal.

“Não há mais tempo. O pior pesadelo dos pais tornou-se realidade e é muito tarde para curar Charlie”, informou o advogado da família, Grant Armstrong.

Os pais de Charlie tentavam uma autorização judicial para transferi-lo para os Estados Unidos, onde uma nova droga para curar a miopatia mitocondrial, uma doença incurável que provoca a perda progressiva da força muscular. “Nós só queríamos dar a ele uma chance de viver”, disse Yates à mídia britânica hoje.

No último mês, a Alta Corte e a Corte Europeia de Direitos Humanos autorizaram que os médicos desligassem os aparelhos do bebê por não haver um tratamento e por ele estar “sofrendo”. Assim que o anúncio foi feito, o papa Francisco – através do hospital católico Bambino Gesù, e até o presidente dos EUA, Donald Trump, fizeram apelos para o respeito à vida do menino.

O hospital italiano inclusive enviou uma carta ao Great Ormond Street, assinada por sete especialistas, para informar sobre uma terapia alternativa que estava sendo feita em uma universidade norte-americana. O Vaticano ainda considerou dar cidadania a Charlie, para evitar a ordem judicial, mas foi informado que “precisaria quebrar a espinha” do menino da mesma maneira que o hospital britânico.

Já o Congresso dos EUA aprovou a cidadania para Charlie e sua família, na tentativa de facilitar o processo para ele ser transferido para o país. No entanto, a defesa informou que, após as análises de um médico norte-americano, já era “tarde demais” para o bebê.

O juiz da Alta Corte britânica tinha destinado mais duas audiências sobre o caso, para hoje e amanhã (25), mas os pais do menino decidiram retirar a ação. (ANSA)

você pode gostar também

error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!