Novo estudo afirma que uso diário do paracetamol pode causar ataque cardíaco

Um importante estudo divulgado hoje adverte que o uso diário do paracetamol poderia aumentar o risco de ataques cardíacos, acidente vascular cerebral e morte precoce. A pesquisa descobriu que os pacientes prescritos com altas doses do analgésico por longos períodos tinham 63% mais chances de morrer de forma inesperada.

O risco de ter um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral foi de até 68% mais elevado e havia uma chance maior de quase 50% de ter uma úlcera de estômago ou sangrar. O paracetamol é considerado pelos médicos mais seguro do que a aspirina, que pode causar sangramento de estômago, e ibuprofeno, que tem sido associado a ataques cardíacos e derrames.

Mas pesquisadores britânicos que realizaram um estudo envolvendo 666.000 pacientes dizem que os riscos podem ter sido subestimados e estão pedindo uma revisão importante em segurança a ser realizado no remédio. Os especialistas acham que o paracetamol pode estar causando a doença, impedindo a ação de uma enzima no organismo chamada COX-2.

Cientistas do Leeds Institute of Rheumatic and Musculoskeletal Medicine (Instituto de Medicina reumática e Musculosqueletal de Leeds) analisaram oito estudos que continham informações sobre os pacientes que tomam paracetamol diariamente por até 14 anos, para doenças como a artrite e dores nas costas.

Eles também abrangeram os pacientes que tomaram o medicamento com menos frequência ou quase nada. Philip Conaghan, que liderou a pesquisa, ressaltou que para a maioria dos pacientes os riscos eram muito pequenos e aqueles que receberam paracetamol por um longo período teria doenças susceptíveis de matá-los mais cedo. Por esta razão, era difícil ter certeza de que o medicamento estava causando problemas.

Estatisticamente, um em cada seis homens e uma em cada dez mulheres morrerão de ataques cardíacos, derrames e outras complicações da doença cardíaca. Outros cientistas minimizaram os riscos. O professor Nick Bateman, que é especialista em toxicologia clínica na Universidade de Edimburgo, disse ao MailOnline: “Com base neste estudo, o risco é mínimo. O paracetamol continua a ser o analgésico mais seguro disponível, e este estudo não deve impedir que as pessoas possam tomá-lo. Com base nestes resultados, a menor dose eficaz durante o menor período de tempo necessário é aconselhável, este é o senso comum para todos os medicamentos.”

As informações são do Daily Mail.

você pode gostar também

error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!