Home Notícias Saúde Neurocirurgião esclarece mitos e verdades sobre a epilepsia

Neurocirurgião esclarece mitos e verdades sobre a epilepsia

Neurocirurgião esclarece mitos e verdades sobre a epilepsia
Foto: Pixabay
0

De acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 3 milhões de brasileiros possuem epilepsia, aproximadamente 1,4% da população geral. “A epilepsia é um distúrbio crônico no cérebro, caracterizado por diversos fatores e caracterizado pela recorrência de crises espontâneas, ou seja, não provocadas por substâncias tóxicas ou medicamentos”, explica o neurocirurgião e professor de Neurocirurgia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Feres Chaddad Neto. Além do preconceito, o médico ainda aponta que a maior parte da população conhece pouco sobre a doença.

“Clinicamente, as epilepsias são caracterizadas por crises convulsivas ou não convulsivas, que são causadas por descargas parciais ou generalizadas no cérebro. Esta condição tem consequências neurobiológicas, cognitivas, psicológicas e sociais, que prejudicam diretamente a vida do indivíduo”, esclarece Feres Chaddad Neto.

As causas são variadas, podem ocorrer em virtude de uma simples tendência a crises, determinada por fatores genéticos, ou em função de lesões bem definidas do sistema nervoso. “A maior incidência da epilepsia acontece no primeiro ano de vida e volta a aumentar após os 60 anos de idade. Cerca de 30% dos pacientes continuam apresentando crises mesmo com o tratamento anticonvulsivante. Nesses casos, a cirurgia pode ser uma opção, mas para ser indicada, é necessária uma investigação minuciosa para que o paciente evolua sem crises nem déficits neurológicos e melhore sua qualidade de vida”, afirma o neurocirurgião.

“No cérebro, a comunicação entre os neurônios é feita por meio de impulsos elétricos. Nas pessoas que possuem epilepsia, durante as crises, esses impulsos acontecem em excesso, provocando desde sintomas como formigamento e confusões mentais, até convulsões. A doença pode ser desencadeada por problemas que afetam o sistema nervoso como traumatismos e infecções.”

Tipos de crises

Quando se trata de crise epilética, a primeira referência que temos são as convulsões. No entanto, existem muitos tipos de manifestações da doença. O mais conhecido é o ataque epilético, caracterizado por contrações musculares, salivação intensa, respiração ofegante, mordedura da língua e descontrole da bexiga.

“Há outro tipo de crise, caracterizado por um desligamento ou ausência. O paciente mantém seu olhar fixo e perde a comunicação com as outras pessoas por alguns minutos ou segundos. Muitas vezes, esse tipo de manifestação não é sequer percebida pelos familiares”, aponta Feres.

No sentido oposto da ausência, existe a crise de “alerta”, também conhecida como parcial complexa. “A pessoa perde o controle de seus movimentos, geralmente na fala e no caminhar. Há uma alteração da consciência, sem desmaio, precedida a maior parte das vezes por um mal-estar no abdome. Este modelo é uma manifestação do tipo mais frequente da doença, chamado epilepsia do lobo temporal (ELT).”

Estes são alguns tipos de manifestações, mas ainda existem outros que incluem alterações na percepção e na memória. “Geralmente, após a crise o paciente fica bastante cansado e não costuma se lembrar do que ocorreu”, conta o médico. Para indicar o tratamento mais adequado, são necessários alguns exames como tomografia e ressonância magnética. “Eles permitem visualizar mudanças sutis na estrutura do tecido nervoso e no funcionamento de diferentes regiões cerebrais”, acrescenta Feres.

Desvendando os mitos

Existem muitos mitos quando o assunto são as crises epiléticas. O principal deles é segurar a língua da pessoa que está tendo um ataque ou inserir um pano em sua boca para que ela não enrole e se asfixie com a própria língua. “Este é o principal erro que se pode cometer. Além do indivíduo que está ajudando poder machucar a sua mão com alguma mordida involuntária, o paciente pode se engasgar com o tecido em sua boca”, explica o médico.

“Durante uma crise, a língua, como todos os outros músculos, fica contraída. Por isso, não existe nenhum risco de a pessoa engolir ou enrolar a língua.” Também é importante destacar que a epilepsia não é contagiosa. “Não é possível pegar a doença por meio do contato com a saliva ou de qualquer outra forma”, completa Feres.

Além desses esclarecimentos, o neurocirurgião indica a melhor maneira de auxiliar uma pessoa que está tendo um ataque: “O mais indicado é não segurá-la, não colocar objeto algum em sua boca, mas sim posicioná-la deitada de lado, acomodar a sua cabeça e afastar os objetos com que ela possa se machucar. Espere o indivíduo recobrar a Feresconsciência e explique a ele o que aconteceu. Se a crise durar mais de cinco minutos, chame o socorro médico”.

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!