Home Notícias Política Lula era “comandante máximo” da Lava Jato, diz procurador

Lula era “comandante máximo” da Lava Jato, diz procurador

Publicidade

Lula era “comandante máximo” da Lava Jato, diz procurador
Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
0
Publicidade

Após denunciar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sua esposa e mais seis pessoas, o Ministério Público Federal (MPF) afirmou que Lula comandava esquema de corrupção identificado na Lava Jato. É a primeira vez que o ex-presidente é denunciado à Justiça Federal no âmbito da Lava Jato.

O procurador da República Deltan Dallagnol afirmou nesta quarta-feira (14) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva era o “comandante máximo do esquema de corrupção identificado na [Operação] Lava Jato”.

A declaração de Dallagnol foi feita durante entrevista coletiva em que a força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) responsável pela operação, detalhou a denúncia que envolve Lula, a esposa dele, Marisa Letícia, e mais seis pessoas.

Lula foi denunciado à Justiça Federal por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, crimes cujas penas, somadas, podem chegar a 32 anos e seis meses de prisão. Segundo os procuradores, o ex-presidente recebeu vantagens indevidas das empresas envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras, como a compra de um apartamento tríplex em Guarujá, no litoral paulista, a reforma e decoração do imóvel, além de contratos milionários para armazenamento de bens pessoais. Essas vantagens, somadas, totalizariam mais de R$ 3,7 milhões.

Dallagnol ressaltou que a corrupção identificada nas investigações é sistêmica e envolve diversos governos e partidos. De acordo com o procurador, existe uma “propinocracia” em curso no Brasil, no qual os poderes Executivo e Legislativo trocam favores, nomeações políticas e cargos, para obter “governabilidade corrompida, perpetuação criminosa no poder e enriquecimento ilícito”. Para Dallagnhol, o sistema é bancado por cartéis de empresas que se aproveitam do esquema para garantir a assinatura de contratos milionários com o Poder Público.

A denúncia inclui também o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, além dos ex-executivos da empreiteira Agenor Franklin Magalhães Medeiros, Paulo Roberto Valente Gordilho, Fábio Hori Yonamine e Roberto Moreira Ferreira.

A denúncia segue agora para a 13ª Vara Federal de Curitiba, para apreciação do juiz Sérgio Moro. Caso seja acatada pelo juiz, Lula, Marisa e os outros denunciados se tornarão réus na operação.

Segundo o procurador Deltan Dallagnol, o ex-mandatário recebeu R$ 3,7 milhões em propina. Ao todo, o esquema investigado pela Operação Lava Jato verificou que houve pagamentos de R$ 6,2 bilhões em propinas, causando um prejuízo de R$ 42 bilhões. De acordo com a denúncia do MPF, Lula é acusado por corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro e a entidade pede o confisco de R$ 87 milhões.

Defesa

Através de seu perfil oficial no Facebook, Lula voltou a negar que seja dono do imóvel. O ex-presidente disse que desde 30 de janeiro tornou públicos os documentos que provariam que ele não é o dono do triplex, alvo das investigações da Operação Lava Jato.

“Lula esteve apenas uma vez no edifício, quando sua família avaliava comprar o imóvel. Jamais foi proprietário dele ou sequer dormiu uma noite no suposto apartamento que a Lava-Jato desesperadamente tenta atribuir ao ex-presidente”, diz Lula em post publicado no Facebook.

Na publicação, o ex-presidente anexou um arquivo com vários documentos que, segundo ele e seus advogados, “desmontam farsa” sobre a titularidade do imóvel localizado no Condomínio Solaris.

A denúncia do MPF também inclui os nomes da ex-primeira dana Mariza Letícia, do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro. Os outros quatro denunciados são pessoas ligadas à empreiteira Agenor Franklin Magalhães Medeiros, Paulo Roberto Valente Gordilho, Fábio Hori Yonamine e Roberto Moreira Ferreira.

Do Portal N10 com Agência Brasil

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!