Home Notícias Variedades Curiosidades Do que são feitos e como funcionam os fósforos?

Do que são feitos e como funcionam os fósforos?

Publicidade

Do que são feitos e como funcionam os fósforos?
0
Publicidade

Muito se tem falado sobre a composição dos fósforos e muitos mitos se têm desvendado, no entanto ninguém pode subestimar a sua extrema importância e utilidade nos dias de hoje.

Como funcionam os fósforos
Ao contrário de que muitas pessoas pensam, a ponta do palito (a parte vermelha) não contém fósforo nem pólvora. Esta parte é composta por clorato de potássio, responsável por libertar oxigénio para manter a chama acesa. Por sua vez, o palito é revestido por uma camada de parafina que funciona como combustível para alimentar a chama. Já a parte áspera da caixa, semelhante a uma lixa, essa sim, é composta por fósforo (para produzir calor intenso), sulfeto de antimónio (Sb2S3), trióxido de ferro (Fe2O3), dextrina e goma-arábica (cola).

Assim sendo, quando se dá o contacto da caixa com o palito inicia-se o processo de combustão que funciona da seguinte forma: a faísca queima o clorato de potássio, liberta muito oxigénio, que por sua vez reage com a parafina, que cobre o palito. Após esse contacto, surge uma chama que consome o palito durante, aproxidamente,10 segundos.

Origem do nome: fósforos
Mas então por que razão os fósforos são denominados dessa forma? Isto porque durante muito tempo o elemento fósforo estava no palito, o que fazia com que se ateasse rapidamente e em qualquer superfície áspera, tornando assim a sua utilização perigosa.

Foi então, pelas mãos do alemão Hennig Brandt, em 1669, que se descobriu acidentalmente o elemento fósforo (que em grego significa “o que traz a luz”) numa das suas tentativas de transformar metais em ouro.

As suas experiências chegaram ao conhecimento do físico inglês Robert Boyle, que inventou, 11 anos depois, uma folha de papel rugoso, revestido de fósforo.

Mas foi apenas em 1826 que o químico inglês John Walker deu a conhecer os palitos de fósforo, com cerca de 8 centímetros de comprimento. Apesar do seu tamanho, Walker pode ser considerado o “pai dos fósforos”, uma vez que após a sua descoberta, tanto o tamanho como as suas características, foram sendo alteradas até ao conceito que temos hoje.

Na verdade o que acontecia, devido à presença do elemento fósforo, na cabeça do palito, é que ele incendiava-se rapidamente apenas com o raspar de qualquer superfície áspera, e outras vezes incendiavam-se sozinhos dentro da própria embalagem.

Anos mais tarde foi o sueco Carl Lundstrom que, em 1855, começou a comercializar fósforos seguros. Além de serem constituídos por fósforo vermelho, o que trazia uma maior segurança à sua utilização, também os seus componentes inflamáveis foram colocados em dois sítios diferentes, de forma a garantir total segurança: na cabeça do palito e do lado de fora da caixa.

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!