Home Notícias Brasil RN Crime contra jovens até 24 anos corresponde a 44% dos assassinatos registrados no RN

Crime contra jovens até 24 anos corresponde a 44% dos assassinatos registrados no RN

Crime contra jovens até 24 anos corresponde a 44% dos assassinatos registrados no RN
Foto: Tomaz Silva/ Agência Brasil
0

Um estudo divulgado pela Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed/RN) revelou que o crime contra jovens até 24 anos corresponde a 44% dos assassinatos registrados no Estado do Rio Grande do Norte. Os dados foram divulgados na sexta-feira (28) durante audiência pública promovida na Assembleia Legislativa pela Comissão de Pesquisa e Investigação (CPI) do Senado Federal que apura os assassinatos de jovens no Brasil.

Os números apresentados pelo coordenador de Informações Estatísticas e Análises Criminais (Coine) da Sesed, Ivenio Hermes, mostram que a maioria das vítimas dos assassinatos contra jovens são negros, do sexo masculino, e possuem entre 18 a 21 anos. O estudo é referente aos períodos de janeiro a agosto dos anos de 2013, 2014 e 2015.

“O nosso trabalho mapeia e registra os dados atualizados dos crimes ocorridos no Rio Grande do Norte, visando a redução desses números por meio da criação de políticas públicas direcionas para as causas desses crimes”, afirma Ivenio.

De acordo com a senadora Fátima Bezerra (PT), integrante da Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado e propositora da audiência, os índices de homicídios contra jovens no Brasil cresceram significativamente. “No Rio Grande do Norte, esse índice cresceu quase 300% entre os anos de 2002 e 2012. O Brasil pulou da 20ª posição, em 1990, para a 8ª posição, no ano de 2012”, disse Fátima.

Para o relator da CPI, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), o principal desafio da Comissão é contribuir para uma formulação e implantação de políticas públicas para juventude, como forma de contemplar as diversas dimensões das demandas e necessidades desse grupo social.

“A meta desta CPI, mais do que apenas apresentar projetos legislativos, é tentar forçar uma negociação política para que a gente consiga avançar em algumas áreas e diminuir esses números tão negativos para o Brasil”, destaca Lindbergh.

O deputado Fernando Mineiro (PT) parabenizou o trabalho de divulgação dos dados por parte da Sesed e elogiou a iniciativa do debate. “A CPI contribui ao trazer esse tema e dar visibilidade ao assunto. Sugiro que a comissão trace um conjunto de medidas aos governantes para enfrentar esse extermínio aos jovens. Peço ainda que nos traga os resultados desse trabalho”, comentou.

O senador Garibaldi Alves (PMDB) disse que a vinda da CPI ao Estado ajuda a traçar o retrato de uma realidade que acomete todo o país. Para o senador José Medeiros (PPS/MT), “o tema abordado pela CPI é um assunto não palatável à sociedade. O RN está de parabéns pela transparência nos dados sobre a criminalidade no Estado”.

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!