Home Notícias Brasil Beneficiários do Bolsa Família terão serviço gratuito de vídeo sob demanda

Beneficiários do Bolsa Família terão serviço gratuito de vídeo sob demanda

Beneficiários do Bolsa Família terão serviço gratuito de vídeo sob demanda
Foto: Rodrigo de Oliveira/Caixa
0

Os beneficiários do programa Bolsa Família terão serviço de vídeo sob demanda gratuito. Moradores de Brasília (DF) e nos municípios do entorno serão os primeiros a ter acesso ao “Quero Ver Cultura”, serviço de vídeo sob demanda que vai disponibilizar gratuitamente filmes nacionais.

Em outubro, eles terão a transmissão de TV analógica desligada e se juntarão a Rio Verde (GO), que este mês se tornou a primeira cidade da América do Sul com sinal completamente digital. Para acompanhar a mudança, os beneficiários do Bolsa Família dessas cidades já estão recebendo um kit com conversor, controle remoto e antena.

“Será o terceiro maior serviço de vídeos sob demanda do mundo”, destaca Pola Ribeiro (foto), secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura (MinC). A partir de outubro, quando entra em funcionamento, o Quero Ver Cultura vai oferecer de um a dois filmes por semana. O aplicativo estará disponível nos conversores que serão entregues a todos os beneficiários do Bolsa Família até 2018. “São 14 milhões de famílias, quase 60 milhões de pessoas. Se pensarmos no público de baixa renda, é de longe a maior entrega de conteúdo sob demanda do mundo”, afirma Ribeiro.

O acervo do Quero Ver Cultura será formado por 25 mil filmes de produção nacional da Cinemateca Brasileira, financiados pela Lei Rouanet e pela Secretaria do Audiovisual, todos licenciados. Também se juntaram ao projeto grandes produtoras brasileiras, como a Gulane, dos filmes Bicho de sete cabeças, O ano em que meus pais saíram de férias e Que horas ela volta?, e a Maria Farinha Filmes, que produz em parceria com o Instituto Alana conteúdos de forte impacto social, como os documentários Tarja branca e Muito além do peso.

Quero Ver Cultura nas escolas

Para assistir aos filmes, não será necessária conexão à internet. A atualização do aplicativo poderá ser feita por pen drive ou pelo ar, via radiodifusão.

Haverá, também, a possibilidade de o Quero Ver Cultura ser programado para oferecer filmes diferentes de acordo com a preferência de cada região do País. Segundo o secretário Pola Ribeiro, a pasta trabalha para conseguir o licenciamento de outros filmes, inclusive de produções da América Latina e da comunidade de países de língua portuguesa.

O MinC já desenvolve uma versão do aplicativo para distribuição de filmes nas escolas. Ele vai ajudar as instituições de ensino a cumprir a Lei nº 13.006, que estabelece uma exibição mínima de duas horas mensais de filmes nacionais. “A produção de cinema no Brasil cresceu bastante, mas, por outro lado, a difusão do audiovisual ainda tem espaço para crescimento. Com o Quero Ver Cultura instalado nas casas do Bolsa Família e nas escolas, poderemos dar escala a esses conteúdos audiovisuais”, explica Ribeiro.

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!