Beneficiários do Bolsa Família têm menos filhos e emigram menos, diz estudo

Residentes do Semiárido Setentrional da região Nordeste que são beneficiários do Programa Bolsa Família têm menos filhos e emigram menos do que não beneficiários. A conclusão é de um grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e de outras instituições, que atuou no projeto “Impacto dos Programas de Transferência de Renda sobre a Dinâmica Populacional e Redução da Pobreza no Semiárido Setentrional”.

Os resultados da pesquisa serão apresentados pelo coordenador do projeto, Ricardo Ojima, como parte do ciclo de seminários “Quartas Demográficas” no dia 19, às 14h30, no auditório do Centro de Ciências Exatas e da Terra (CCET), Campus Central da UFRN.

As inscrições para a palestra podem ser feitas no local ou antecipadamente pelo Sistema de gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA), cujo link de acesso é: www.sigaa.ufrn.br. Haverá emissão de certificados para os participantes.

Políticas sociais e seca

Segundo Ojima, “sendo o Semiárido Setentrional uma das regiões mais secas e de problemas sociais mais evidentes do país, o projeto busca cobrir uma lacuna nos estudos demográficos da região e construir bases importantes para subsidiar políticas sociais que contribuam nas estratégias de convivência com a seca.”

Somam-se a estes esforços outros projetos de pesquisa do Programa de Pós-graduação em Demografia (PPGDem) em andamento nas áreas de mercado de trabalho, vulnerabilidade social, mobilidade populacional, entre outros.

Mais informações podem ser obtidas pelo site do PPGDem: (www.posgraduacao.ufrn.br/ppgdem) ou pela página do programa no Facebook: (www.facebook.com/ppgdem).

A programação das Quartas Demográficas pode ser consultada no site https://sites.google.com/site/quartasdemograficas/.

você pode gostar também

error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!