Barreira do Inferno fará rastreamento remoto de veículos espaciais

A Estação Natal, localizada no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), realizará em março o segundo dos oito rastreamentos remotos previstos para este ano dos veículos espaciais Ariane, Soyuz e Vega. Eles serão lançados a partir de Kourou, na Guiana Francesa, a 2,3 mil quilômetros em linha reta da capital do Rio Grande do Norte.

O rastreamento é feito por meio de uma antena de telemedidas que remete os dados (como trajetória, temperatura e pressão, dentre outros) para a estação brasileira. Esta, por sua vez, recebe as informações – que são transformadas em pacotes de dados – e as envia em tempo real para a Guiana Francesa. O processo é fundamental para manter a segurança de voo do foguete, além do monitoramento de todo trajeto do veículo.

O rastreamento remoto dos foguetes é resultado de um acordo internacional entre o governo brasileiro e a Agência Espacial Europeia (ESA).

Em janeiro, as antenas brasileiras acompanharam os dados do veículo Ariane (VA228), que levou ao espaço o Satélite Intelsat 29E, construído pela Boeing, que vai prover links de dados de alta capacidade para clientes comerciais e governamentais das Américas.

“A função do CLBI é fazer com que esse rastreamento colabore com os voos dos foguetes e caso ocorra algum incidente todas as informações serão de suma importância para relatar qualquer ocorrido”, conta Maria Goretti Dantas, engenheira responsável pela interface entre o CLBI e o Centro Espacial Guianês.

O primeiro acordo assinado entre o Governo Brasileiro e a Agência Espacial Europeia (ESA) foi em 1977. A renovação, efetuada em 1994, está vigente até 2019. O acordo prevê estabelecimento e utilização de meios de rastreamento de telemedidas situados em território brasileiro.

Anualmente, o Brasil recebe aproximadamente 900 mil euros pela utilização. O valor é direcionado aos cofres públicos e não ao CLBI.

A unidade da Força Aérea Brasileira (FAB), localizada em Parnamirim (RN), serviu como base de lançamento de aproximadamente três mil foguetes e rastreamento de cerca de 200 veículos espaciais lançados a partir da Guiana Francesa, entre eles os foguetes Ariane, Soyuz e Vega.

você pode gostar também

error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!