Home Notícias Universo Astrônomos detectam dois corpos estelares que irão se fundir para criar uma estrela supermassiva

Astrônomos detectam dois corpos estelares que irão se fundir para criar uma estrela supermassiva

Publicidade

Astrônomos detectam dois corpos estelares que irão se fundir para criar uma estrela supermassiva
Foto: Reprodução/Daily Mail
0
Publicidade

Uma equipe de astrônomos espanhóis detectaram duas “estrelas monstro” à beira de uma fusão em um evento impressionante que poderia revelar, pela primeira vez, como nascem as estrelas supermassivas. A equipe detectou o eclipse de um sistema estelar, conhecido como MY Camelopardalis, quando viram duas estrelas enormes em uma órbita muito próxima. As informações são do Daily Mail.

O sistema de estrelas está situado dentro de um pequeno agrupamento de estrelas, chamado Alicante 1, localizado a cerca de 13.000 anos-luz da Terra. Nosso Sol é uma estrela relativamente rara em seu isolamento. A maioria das estrelas em nossa galáxia foram formados em sistemas binários ou múltiplos, alguns dos quais são ‘eclipse’. Atualmente, as estrelas em MY Camelopardalis estão se movendo em torno de si a uma velocidade de 1 milhão de quilômetros por hora e são estimadas em mais de dois milhões de anos.

Cada uma das estrelas tem um raio que é cerca de 700 vezes maior que o da Terra, mas gira sobre si mesmo mais ou menos ao mesmo tempo. Ao observar as duas estrelas com o telescópio de 2.2 metros de altura no Calar Alto Observatory, os pesquisadores foram capazes de descobrir a temperatura e a forma de cada uma das estrelas.

As estrelas, que têm 38 e 32 vezes a massa do nosso Sol, possivelmente completam suas órbitas em menos de 1,2 dias. Isso significa que suas atmosferas externas já estão se tocando e interagindo, e são tão próximos uns dos outros que os cientistas acreditam que vão se fundir em um só. A estrela resultante é estimado para ter, pelo menos, 60 vezes a massa do sol, de acordo com o estudo da Universidade de Alicante.

Os cientistas não tem certeza do que vai acontecer, mas qualquer concentração é susceptível de ser rápida e explosiva, liberando enormes quantidades de energia. Enquanto uma estrela “hiper gigante” não é criada, os astrofísicos esperam que, ao ver a fusão desses estrelas binárias, eles podem explicar melhor como exatamente as estrelas massivas se formam.

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!