Home Notícias Brasil RN Natal Áreas irregulares são desafio adicional ao saneamento básico de Natal

Áreas irregulares são desafio adicional ao saneamento básico de Natal

Áreas irregulares são desafio adicional ao saneamento básico de Natal
Divulgação: Caern
0

Menos da metade da população brasileira está ligada às redes de coleta de esgoto e apenas 40% dos esgotos gerados são tratados, segundo os dados de Sistema Nacional de Informação sobre Saneamento – base 2014. Apesar da carência do saneamento atingir a todos, o maior impacto recai sobre a população mais vulnerável e que habita em áreas irregulares onde a infraestrutura sanitária praticamente não existe.

A proximidade com os esgotos faz com que a população dessas áreas normalmente conviva com doenças como diarreias, hepatite A, problemas de pele, dengue, com poluição a céu aberto, acúmulo de lixo, entre outros.

Estudo do Instituto Trata Brasil – “Saneamento em Áreas Irregulares no Brasil”- recentemente mostrou que Natal, capital do Rio Grande do Norte, existem 120 mil pessoas residindo em 41 áreas irregulares, o equivalente a 13,8% da população total da cidade (869.954 habitantes em 2015).

Segundo a empresa de água e esgotos, todas as 41 áreas são atendidas por rede de água, mas não especificou se são regulares ou clandestinas. O volume de água consumida nessas comunidades é de 3,3 milhões m³/ano, quantidade suficiente para encher 1.313 piscinas olímpicas no ano.

No caso do atendimento com rede de coleta de esgotos, o prestador informou que 26 desses assentamentos possuem esgoto do tipo condominial, que é quando há dificuldades em implantar o sistema de rede convencional, em geral por falta de urbanização na área, então o sistema interliga caixas de esgotos de imóveis de uma mesma rua a pontos específicos da rede. O esgoto estimado gerado nas comunidades soma 2,6 milhões m³/ano, sendo que, desse total, são lançados na natureza sem tratamento 1,4 milhão m³/ano (cerca de 54% do total).

Segundo o estudo apurou, o Ministério Público tem uma atuação forte no tema, com participação da sociedade e órgãos responsáveis. O MP atua por meio de instrumentos legais, tais como notificações, ofícios, termos de ajustamento de conduta, termos de declarações e realizações de audiências públicas e também trabalha em conjunto com a Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento de Natal (ARSBAN) e com as Secretarias de Saúde através da Vigilância Ambiental do município.

Entre os motivos que explicam a dificuldade da prestação de serviços nas áreas irregulares estão a dificuldade de regularização fundiária, o pagamento dos usuários, ausência de incentivos do Poder Público na ampliação das redes existentes e dificuldades de ordem técnica para ampliação das redes, como a topografia do terreno.

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!