Home Notícias Mundo Analista diz que o “Estado Islâmico é uma nova arma de destruição em massa criada pelos EUA”

Analista diz que o “Estado Islâmico é uma nova arma de destruição em massa criada pelos EUA”

Publicidade

Analista diz que o “Estado Islâmico é uma nova arma de destruição em massa criada pelos EUA”
Foto: YouTube video/GO4FUN Footage
0
Publicidade

O Estado Islâmico é “uma nova arma de destruição em massa” criado pelos EUA, que saiu de controle e ameaça uma guerra de civilizações, considera o analista Alexander Zapolskis. “Ao apostar em força e grupos cada vez mais incivilizados, os americanos finalmente criaram uma arma de destruição em massa que leva dois anos para expandir em todo o Oriente Médio. Seu nome é Estado islâmico”, diz o especialista em um artigo publicado no site Regnum.

“A história da ascensão dos extremistas do Estado Islâmico, na verdade, evoca cenas de filmes sobre o desenvolvimento de armas de destruição em massa”, onde a experiência sai do controle e ameaça consequências perigosas, diz Zapolskis. “No nosso caso, em termos de geopolítica, o teste é o Oriente Médio”, acrescenta. Na opinião do analista, para encontrar os responsáveis ​​por um problema sempre “deve olhar para os potenciais beneficiários”. Nesse sentido, se olharmos para os indicadores econômicos, é claro que o principal parceiro comercial da região é a União Europeia, e as receitas resultantes em Bruxelas a partir deste relacionamento “lhe permite desempenhar um papel geopolítico independente do mundo”.

Com base nesse documento, a UE “ainda se recusa a assinar o acordo Transatlântico com os EUA”, diz o especialista que explicou que a desestabilização da região, “em primeiro lugar, enfraqueceria a economia europeia e tornaria a Europa mais obediente”.

Além disso, mantenha em mente que o Oriente Médio enfrenta outros problemas que ainda “está em processo de formação da nação e do Estado”. A Europa já passou por esses caminhos há vários séculos e sei que sempre vem acompanhada por guerras. As disputas territoriais existem, as diferenças étnicas, religiosas e culturais também, bem como o fato de que “o mundo árabe não considera a democracia como um bem absoluto e a melhor forma de organização social”, diz o colunista.

A magnitude do problema criado pelos EUA ainda será descoberto, mas já está claro que o fator determinante aqui é “o choque de civilizações” moderno medieval ocidental e árabe explica Zapolskis. Em sua opinião, há um “confronto, cujas regras depois de 500 anos já se esqueceram”.

“Acreditamos que ter superioridade tecnológica em aeronaves, foguetes e satélites de reconhecimento em órbita dá garantias de superioridade, mas não é. Estamos em guerra contra o EI por dois anos, mas durante esse tempo, o número de unidades não só tem reduzido, mas aumentou muitas vezes “, diz o especialista.

“Se nós não esmagar os combatentes do Estado Islâmico agora, em primeiro lugar, com as forças dos Estados árabes, especialmente o Egito, a guerra contra o EI irá expandir o território da Europa Central, Ásia Central e até mesmo partes do sul da Rússia. E vai ser uma guerra em que nós teremos que seguir as suas regras “, diz o autor.

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!