Home Notícias Mundo Americana com câncer terminal realiza suicídio assistido com sucesso

Americana com câncer terminal realiza suicídio assistido com sucesso

Publicidade

Americana com câncer terminal realiza suicídio assistido com sucesso
0
Publicidade

Brittany Mynard, de 29 anos, sofria com um câncer terminal e planejou suicídio assistido para o dia 1º de novembro. O desejo da jovem foi atendido, a informação foi confirmada pelo grupo pró-eutanásia Compassion & Choices (Compaixão e Escolhas).

De acordo com os amigos e familiares de Brittany, ela faleceu em sua casa, localizada em Portland, Oregon, após seu estado de saúde piorar e o tumor se espalhar. No entanto, ela foi capaz de escolher morrer antes que perdesse a capacidade funcional. Ela completou a sua lista de “últimos desejos” na semana passada, quando ela visitou o Grand Canyon.

Antes de morrer, a americana conseguiu realizar o sonho de conhecer o Grand Canyon
Antes de morrer, a americana conseguiu realizar o sonho de conhecer o Grand Canyon

Em seu perfil no Facebook, ela escreveu: “Adeus a todos os meus queridos amigos e familiares que eu amo. Hoje é o dia que eu escolhi para morrer com dignidade em face da minha doença terminal, esse terrível câncer no cérebro que tirou muito de mim … mas teria levado muito mais”.

Ela acrescentou: “O mundo é um lugar bonito, viagens tem sido o meu maior professor, meus amigos mais próximos e as pessoas são os maiores doadores. Eu até tenho um anel de apoio ao redor da minha cama enquanto eu digito. Adeus mundo. Espalhe boas energias. Bola pra frente! “

Sean Crowley, porta-voz da Compassion & Choices, disse em um comunicado na noite de domingo (2) que Maynard morreu no sábado, como ela pretendia -. Tranquilamente em seu quarto, nos braços de seus entes queridos.

Crowley disse que Maynard “sofreu convulsões cada vez mais frequentes e mais longas, dor de cabeça e de garganta graves e sintomas de AVC”.

Maynard foi diagnosticada com estágio IV da glioblastoma multiforme, uma forma agressiva de câncer cerebral terminal e em abril os médicos deram-lhe apenas seis meses de vida. Ela, então, fez manchetes em todo o mundo depois de anunciar que pretendia morrer sob a Oregon’s Death with Dignity Act (Lei de Morte com Dignidade de Oregon).

Em sua última declaração, um vídeo produzido por ela, em defesa de sua escolha com o grupo Compassion & Choices, ela reconhece que algumas pessoas têm sido céticos sobre a sua história.

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!