Home Notícias Variedades Curiosidades 5 doenças raras que você nunca ouviu falar!

5 doenças raras que você nunca ouviu falar!

5 doenças raras que você nunca ouviu falar!
0

Estudo feito pelo jornal australiano Sydeny Morning Herald, listou 5 doenças raras e de sintomas estranhos que podem atingir o ser humano e você as confere aqui:

Síndrome de Alice no país das Maravilhas

A Síndrome de Alice no País das Maravilhas (ou AIWS), também chamada de Síndrome de Todd, ganhou esse nome por causa do autor Lewis Carrol, e é um distúrbio de desorientação neurológica que afeta drasticamente a percepção dos seres humanos. Esta doença causa uma alteração na percepção visual do doente, dando a sensação de objetos muito próximos parecerem bem menores que a realidade. Esta falta de proporção nos objetos é causada pelos mesmos sintomas de quem está sob o efeito de drogas, como a conhecida LSD, causando visões e desproporcionalidade nas coisas e objetos. Além dos objetos ao redor, os doentes podem ainda ver o seu corpo distorcido, acreditando que partes do seu corpo estão mudando de forma ou de tamanho.

Maldição de Ondina

Este estranho nome, é uma “homenagem” à ninfa Ondina, das águas da mitologia pagã Europeia. Esta doença foi descoberta há mais de 30 anos e existem algumas centenas de pessoas no mundo que sofrem deste problema. Os sintomas da maldição de ondina fazem com que os doentes percam o total controle da respiração, acabando por se “esquecer” de respirar, chegando a sufocassem e caso não recebam ajuda imediata, morrerem. Alguns médicos acreditam que este problema esteja relacionado com o gene THOX2B, fazendo com que o sistema nervoso central, que trata do controle da respiração enquanto a pessoa está a dormir, se esqueça de respirar. As pessoas que padecem deste problema têm a necessidade de usar um ventilador enquanto dormem, de forma a respirarem sem interrupções.

Síndrome da mão estranha

A síndrome da mão estranha, do inglês “alien hand syndrome”, faz com que uma das mãos do doente se movimente de forma completamente involuntária e que ganhe “vida própria”. As pessoas com este problema têm quase sempre pequenas lesões no cérebro ou que foram submetidas a cirurgias nos nervos ou cabeça. O mais estranho e bizarro é que o doente não toma em consideração as “atitudes” da mão, até estas serem estranhas ou fora do comum. Estes efeitos e movimentos podem, no entanto ser reduzidos, ocupando a mão “doente” com alguma tarefa, como segurar um objeto, por exemplo. Esta desordem é mais observada em indivíduos que foram submetidos à cirurgia de separação dos hemisférios cerebrais ou ressecção de parte dos mesmos, procedimentos realizados objetivando minimizar os sintomas em casos extremos de epilepsia. Além disso, esta condição também pode resultar de um acidente vascular cerebral, outros procedimentos cirúrgicos cerebrais ou infecções.

Cegueira emocional

Já todos ouviram falar certamente da expressão “cegueira emocional” e este tipo de “cegueira” pode na verdade acontecer com qualquer um de nós. Esta situação foi descoberta após vários estudos na Universidade de Yale, quando após submeterem várias pessoas ao visionamento de imagens fortes ou de conteúdo pornográfico, muitas delas perderem a visão, durante alguns décimos de segundo. Até aos dias de hoje, ainda não foi descoberta a razão deste tipo de reação do ser humano.

Síndrome de Riley-Day

As pessoas que sofrem deste tipo de problema relatam que não sentem dores após se queimarem ou cortarem, por exemplo. A causa deste problema está associada a uma mutação no gene IKBKAP e foi descoberta pelos médicos Milton Riley e Richard Lawrence Day, que deram nome a esta doença. Por não existir qualquer noção de dor, estas pessoas sofrem muitas vezes acidentes graves, já que não têm qualquer tipo de aviso da dor. A Síndrome de Riley-Day é uma doença hereditária rara que afeta o sistema nervoso, prejudicando o funcionamento dos neurônios sensoriais, responsáveis por reagir a estímulos externos, causando insensibilidade na criança, que não sente dor, pressão, nem temperatura e muito menos estímulos exteriores. São pessoas que morrem quase sempre jovens, antes dos 30 anos de idade, devido à gravidade dos ferimentos.

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!